Moda da UEM melhora grade e garante mercado de trabalho

uem-moda02O curso de Moda da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no campus de Cianorte, é uma das principais referências em formação de mão de obra do segmento em todo o país. Por isso, é comum receber alunos de outros estados em seus vestibulares. O que atrai tanto interesse é a colocação dos alunos no mercado de trabalho ainda quando estão estudando.

O curso de Moda da UEM já formou aproximadamente 250 alunos desde 2002 e hoje conta com 125 alunos em quatro turmas. “Nos últimos quatro anos melhoramos muito diversos aspectos do curso”, comenta o professor e doutorando em Moda pela universidade do Minho, em Portugal, Ronaldo Vasques (foto). “Tanto na parte de estrutura dos laboratórios como na logística para os alunos”. Vasques já foi coordenador do curso entre 2005 e 2009 e está sempre atento para as novidades do mercado para informar os alunos cianortenses.

Entre as melhorias estão a adequação do projeto pedagógico e da grade das disciplinas, atualização de disciplinas com maior foco no mercado de trabalho, o curso de Design passou a ser integral com aulas de manhã e à tarde, pavimentação no campus, aparelhamento de laboratórios e oficinas, entre outros. E também está prevista a abertura de especializações sobre Moda e Design.

INVESTIMENTO – Essa semana foi anunciado o investimento do governo estadual de R$ 600 mil no campus regional da UEM em Cianorte. Além dos cursos de Moda e Design, também serão beneficiados os cursos de Pedagogia e Ciências Contábeis. A verba será usada para comprar equipamentos e fazer melhorias na infraestrutura.

PROFISSIONALIZAÇÃO – Uma das principais características do curso de Moda da UEM é colocar os alunos no mercado de trabalho. É comum em cidades de grande porte que tem curso de Moda, os alunos se formarem e não conseguirem trabalhar no segmento de vestuário. O que não acontece em Cianorte. Mesmo com os alunos que estão no começo.

Como é o caso da acadêmica do segundo ano de Moda, Mariella Pilotti, 20 anos, que há cinco meses trabalha na empresa Laços e Tiras. Ela é auxiliar de Estilo, fazendo ficha técnica e também tem contato com referências de modelista. “Sem as aulas de modelagem que tenho na universidade eu não teria noção sobre soltar os moldes, conferir se está com todas as partes”, explicou sobre como aplica a teoria da sala de aula na prática do trabalho.

Mariella Pilotti mora há seis anos em Cianorte e sempre quis estudar Moda. Ela saiu de Loanda (a 135km de Cianorte) e já pensava em seguir no vestuário graças a influência da mãe que era costureira. “Desde pequena eu ficava mexendo nas máquinas, nos tecidos da minha mãe”, lembra a universitária. “Na escola eu e minhas amigas brincávamos de desenhar roupas”. Ela revela que o objetivo inicial na universidade era ser estilista. Mas com o passar das aulas acabou tendo novas referências profissionais e também considera trabalhar relacionando a Moda com Comunicação.

* Confira reportagem sobre a Tecidoteca da UEM.

Texto e fotos: Andye Iore

uem-moda03

Compartilhe: