SUS oferece fitoterápicos como alternativa de tratamento

Artigo da Campanha Cianorte Mais Saudável*, produzido pela Secretaria Municipal de Saúde.

Quem nunca tomou um chá de erva-cidreira para ficar mais calmo, ou quem sabe, um chá de hortelã para a gripe ou dor de garganta? O uso de plantas como medicamento é provavelmente tão antigo quanto o aparecimento do próprio homem. A preocupação com a cura de doenças sempre se fez presente ao longo da história da humanidade.Bem antes do surgimento da escrita, o homem já utilizava ervas para fins alimentares e medicinais. O termo Fitoterapia deriva do grego phyton, que significa “vegetal”, e de therapeia, “tratamento”, e consiste no uso interno ou externo de vegetais para o tratamento de doenças, sejam eles “in natura” ou sob a forma de medicamentos.

Em 2006, foi aprovada a Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS), o que permitiu o uso de plantas medicinais e fitoterapia nos tratamentos médicos. No Brasil, foi criada em 1978 a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), que passa por atualizações periódicas e consiste em uma lista de medicamentos disponíveis no Sistema Único de Saúde. Os fitoterápicos foram incluídos nesta lista diante de sua eficácia comprovada em alguns tratamentos específicos.

Na Europa, principalmente na Inglaterra, a medicina alternativa tem cada vez mais adeptos e nos Estados Unidos há uma grande quantidade de farmácias naturais. Já no Brasil, o conhecimento das propriedades de plantas medicinais é uma das maiores riquezas da cultura indígena, uma sabedoria tradicional que passa de geração em geração.

De acordo com dados de instituições de pesquisas da região amazônica, cerca de cinco mil, dentre as 25 mil espécies, já foram catalogadas e suas propriedades terapêuticas estudadas.Apesar de muitas plantas serem úteis ao homem, existem aquelas que produzem substâncias tóxicas ou venenosas. É preciso conhecer bem as características de cada planta para poder usá-la como remédio.

Mais de 25% de todos os medicamentos são de origem vegetal. É comum se ouvir dizer que o uso das plantas medicinais se não fizer bem, mal não fará, porém não é bem assim. Sua utilização inadequada poderá trazer efeitos indesejados, sendo necessário sempre consultar o médico ou nutricionista para orientação adequada.A forma de uso, a frequência e a quantidade são aspectos muito importantes para sua utilização. A dosagem deve observar a idade e o tipo de metabolismo de cada pessoa.

Com informações www.basilio.fundaj.gov.br

*A Campanha Cianorte Mais Saudável é uma iniciativa da Prefeitura, por meio das Secretarias de Educação e Cultura, Saúde, Assistência Social e Agricultura, com o apoio da Assessoria de Comunicação, em atendimento a um dos eixos do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (PLAMSAN).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de Cianorte

Compartilhe: