Síndrome da Coluna Pós Cirúrgica pode afetar até 40% dos pacientes

Mesmo após cirurgia, pacientes continuam sentindo dor. A cirurgia de coluna precisa ser rigorosamente indicada e ainda assim pode resultar na síndrome

Todos os anos, pelo menos 65% da população em geral terá um episódio de dor lombar e 84%, em algum momento da vida, passará pelo problema. A dor nas costas só perde mesmo para a dor de cabeça, a primeira no ranking mundial da dor. Com o envelhecimento da população, a tendência é que mais pessoas desenvolvam patologias na coluna, como por exemplo, a hérnia de disco.

Entretanto, a minoria dos pacientes tem ou terá indicação para cirurgia, mas o número de cirurgias de coluna aumentou exponencialmente nos últimos anos e, como isso, surgiu uma condição chamada de síndrome do insucesso da cirurgia espinhal, também conhecida como FBSS (failed back surgery syndrome), entre outros nomes. Porém, segundo os estudos mais recentes, o termo mais aceito é a síndrome da coluna pós-cirúrgica.

Segundo o neurocirurgião Dr. Iuri Weinmann, especialista em medicina da coluna, o tema está em evidência entre os neurocirurgiões e especialistas em coluna. “A síndrome de insucesso da cirurgia espinhal é um termo usado para descrever uma condição clínica, que acontece quando o resultado da cirurgia da coluna não satisfaz as expectativas pré-cirúrgicas do paciente e nem do cirurgião”.

É descrita também como um estágio final após uma ou várias cirurgias indicadas para alívio da dor lombar e/ou radicular, sem alcançar o objetivo, ou seja, o controle da dor”, explica Dr. Iuri. Estudos apontam que a síndrome da coluna pós-cirúrgica pode atingir de 10 a 40% dos pacientes.

A ORIGEM É MULTIFATORIAL

De acordo com Dr. Iuri, há vários fatores que podem contribuir para a síndrome do insucesso da cirurgia espinhal, sendo classificados como pré-operatórios, operatórios e pós-operatórios.

Entre os fatores pré-operatórios mais importantes estão as condições psicológicas do paciente, como histórico de depressão, ansiedade e hipocondria. Fatores socioeconômicos, como nível de renda e emprego também interferem”, explica o neurocirurgião.

O tipo de técnica a ser usada, planejamento cirúrgico inadequado e níveis inadequados de descompressão também são aspectos relevantes. Porém, os estudos apontam que os fatores psicológicos são os mais significativos e requerem atenção rigorosa na avaliação pré-operatória.Já os fatores operatórios incluem escolha de uma técnica deficiente, sendo a causa mais frequente em atingir a meta de descompressão

Mas, mesmo uma descompressão criteriosa, pode resultar na síndrome. Outro ponto é que quanto maior o número de cirurgias, maior o risco. No pós-operatório, o risco mais relevante é a recorrência da hérnia de disco, que pode voltar em cerca de 6 a 23% dos pacientes depois da cirurgia”, conta Dr. Iuri.

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR

Quando o paciente apresenta a síndrome de insucesso da cirurgia espinhal, o médico precisa avaliar todos os aspectos. “Entretanto, os fatores psicológicos são muito importantes e daí a relevância de contar com uma equipe multidisciplinar que possa contribuir neste diagnóstico. A cronicidade da dor, a incapacidade laboral ou até mesmo para as atividades diárias, estão envolvidos no problema de forma direta”, explica a psicóloga Claúdia Dantas.

Segundo Claudia, a dor crônica pode levar a pessoa a adotar comportamentos de evitação para não sentir dor, reduzindo suas atividades e, consequentemente, sua autonomia. “A atitude negativa em relação à dor, sentir-se incapaz, ter expectativas de que o tratamento será passivo, tendência a depressão, problemas financeiros e sociais estão envolvidos num resultado menos efetivo da cirurgia e num maior risco de apresentar a síndrome”, comenta a psicóloga.

FORMAS DE TRATAMENTO DA DOR CRÔNICA PÓS-CIRÚRGICA

O paciente passará por avaliações clínicas e por exames. Quando descartados problemas físicos, como outras doenças (tumores, doenças neuropáticas, etc.), o objetivo será encontrar formas de controlar a dor de maneira conservadora. “Isso pode incluir medicamentos, fisioterapia e terapia cognitivo comportamental (TCC)”, conta Dr. Iuri.

Dr. Iuri explica que há outras intervenções que podem ser feitas para melhorar a dor crônica, como dispositivos implantáveis que funcionam como estímulos elétricos, assim como bombas implantáveis, que liberam medicamentos para alívio da dor.

Quando falamos em cirurgia de coluna é preciso lembrar que a indicação é na menor parte dos casos. Além disso, o médico precisa ser criterioso na avaliação do paciente, não somente nos quesitos que envolvem os riscos operatórios (saúde cardiovascular, coagulação, etc.), como também se o perfil psicológico do paciente pode aumentar a probabilidade maior de complicações que possam evoluir para a síndrome da coluna pós-operatória”, conclui Dr. Iuri.

Fonte: Agência Health

Compartilhe: