Siate comemora 31 anos com redução de 16% no número de vítimas atendidas no 1º trimestre

O Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) comemorou nesta última quarta-feira (26/05) 31 anos de criação no Paraná. O serviço estadual, que é responsável pelo atendimento pré-hospitalar da maneira mais célere possível, registrou uma redução de 16,87% no número de vítimas atendidas no primeiro trimestre de 2021, se comparado com o mesmo período do ano passado. Foi criado em 1990 através de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o Instituto de Saúde do Estado do Paraná e a Prefeitura de Curitiba.

De acordo com o coordenador do Siate, major Marcos Adolpho Frederick Moro Galeazzi, entre a ligação do cidadão e o atendimento do serviço dos socorristas no local da ocorrência o tempo médio é de sete minutos. “Com este tempo mínimo, e que já tem sido diminuído ao longo dos últimos anos, o número de vidas salvas, a redução de traumas e sequelas são imensuráveis”, avalia. “Todos os integrantes do Siate saem de casa com o mesmo objetivo, que é salvar vidas, e há 31 anos temos cumprido nosso dever”.

Toda a estrutura de operacionalização para o atendimento parte da Central de Operações do Corpo de Bombeiros após o contato feito através do número de emergência 193. Atende ocorrências com vítimas de acidentes de trânsito, quedas, ferimentos por arma branca ou de fogo, agressões, queimaduras, desabamentos e outros traumatismos.

Mesmo com a pandemia, o serviço prestado continuou disponível à população 24 horas por dia, e por serem da linha de frente da saúde, os operadores e integrantes das ambulâncias têm seguido rigidamente todas as medidas sanitárias estabelecidas, justamente por precisarem fazer contato direto com as pessoas. “Dentre nossos conceitos, o principal é priorizar a vida, temos cuidado muito da higiene pessoal e deixamos claro que cuidar da nossa vida, como socorristas, também é um ato de amor à sociedade”, afirma o major Galeazzi.

ATENDIMENTOS

Em se tratando de vítimas atendidas pelo Siate no Estado, se comparado o primeiro trimestre de 2020 (10.170 vítimas) com o mesmo período de 2021 (8.545 vítimas), a diminuição é de 16,87%. O serviço estadual manteve o atendimento integral à população, trabalhando de forma sincronizada com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que pertence ao município.

Dentre as situações atendidas pelo Siate, as ocorrências de acidente de trânsito apresentaram redução de 9,6% (de 10.327 no trimestre de 2020 para 9.336 em 2021), se comparados os três primeiros meses de cada ano. Fevereiro foi o mês que mais apresentou diminuição nesta modalidade (13,46%), sendo 3.632 casos no trimestre do ano anterior e 3.143 no atual.

As ocorrências de queda de plano elevado também diminuíram (-2,95%) – passarsam de 1.151 nos três primeiros meses de 2020 para 1.117. Os meses de janeiro, de ambos os períodos, foram os que registraram maiores reduções no número de ocorrências.

Outro atendimento do Siate é para a obstrução de vias aéreas, quando pessoas acabam se engasgando ou sufocando com alimentos ou objetos. A redução no número total de ocorrências nesta modalidade foi de 13,68% (190 no primeio trimestre de 2020 e 164 em 2021). Neste caso, em algumas situações, paralelamente ao deslocamento de uma equipe de socorristas até a casa do solicitante, o atendente pode orientá-lo pelo telefone para procedimentos iniciais, os quais serão corroborados com a chegada da equipe no local.

MODUS OPERANDI

De acordo com as informações do Corpo de Bombeiros, no momento em que o cidadão entra em contato com a corporação, por meio do 193, serão solicitadas informações e detalhes do ocorrido sobre as vítimas, através de um questionário padrão.

Imediatamente, o médico coordenador do Siate, juntamente com o chefe de Operações do Corpo de Bombeiros, faz a triagem do caso, identifica qual a melhor forma de atendimento para aquela ocorrência e se há necessidade do envio do médico de área, ou só de socorristas, levando em consideração a gravidade e número exato de vítimas.

Também é definido qual o número de ambulâncias, quantas vagas serão necessárias na rede hospitalar, quais especialidades serão fundamentais no atendimento imediato, o posto de Bombeiros mais próximo e qual o hospital credenciado mais adequado no momento para o atendimento das vítimas.

“O atendimento prestado pelo Siate é único no Estado quando se coloca em paralelo velocidade e eficiência”, afirma o socorrista Hildeandro Nunes, que atua no serviço de atendimento há seis anos. “Os minutos iniciais após um acidente de qualquer natureza são os mais críticos, portanto, a celeridade que temos desenvolvido na prestação de socorro em pouquíssimo tempo é o diferencial para o salvamento de uma vida”.

INVESTIMENTOS

Para continuidade do serviço prestado pelo Siate foi desenvolvido e assinado um Termo de Cooperação Técnica, em 2020, pelas secretarias estaduais da Saúde e da Segurança Pública. O termo visa à capacitação de 60 monitores e 600 socorristas que já fazem parte da corporação, porém sem a formação específica, nos próximos cinco anos.

Neste trimestre, estão no Curso de Formação de Monitores (Socorros de Urgência) 30 bombeiros socorristas, além de outros 120 bombeiros que se tornarão socorristas e atuarão em quatro regionais do Estado (Curitiba, Maringá, Cascavel e Londrina).

A estratégia de capacitação destes bombeiros inclui turmas híbridas, aulas a distância, atividades síncronas, aulas parcialmente presenciais e o ativo estágio prático, garantindo ainda a vacinação dos formandos contra a Covid-19.

CONTATO

O número para acionar o Siate é o 193 (estadual), que presta serviços diferentes do Samu (município). O serviço municipal atende principalmente casos clínicos, com suas funções distintas mas com o mesmo fim: salvar vidas.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

Banner Edplants, Acesse