Sebrae/PR promove simpósios sobre educação empreendedora na região noroeste


Maringá, Paranavaí, Umuarama e Campo Mourão sediaram o evento que fomentou práticas empreendedoras no ambiente escolar

A Educação Empreendedora é linha de atuação estratégica para o Sebrae/PR. Ela busca ampliar, promover e disseminar a cultura do empreendedorismo nas instituições de ensino me todos os níveis. Para fortalecer este trabalho, nesta semana aconteceram edições do Simpósio Educação Empreendedora, nas cidades de Maringá, Paranavaí, Umuarama e Campo Mourão. Os eventos atraíram secretários de educação, profissionais e professores de 20 cidades da região noroeste do Paraná.

Durante palestras, troca de experiências e sugestões de ações práticas, o Simpósio Educação Empreendedora visou fomentar e criar espaços para o desenvolvimento da cultura empreendedora nas instituições de ensino, apresentar oportunidades de ações didáticas para os profissionais do segmento, fortalecer as redes de relacionamento entre o Sebrae/PR e os atores do ambiente educacional e apresentar as novas tendências em educação e empreendedorismo.

Os Simpósios ocorridos nas cidades de Paranavaí, Umuarama e Campo Mourão foram destinados para os projetos que são realizados em parceria com instituições de ensino superior. Já na cidade de Maringá, o foco foi o Programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEEP), que é promovido em escolas públicas da região do 1º ao 9º ano do ensino fundamental.

Para compartilhar as tendências do segmento com os professores e secretários, esteve presente José Dornelas, pós-doutor pela Bobson College em educação empreendedora, consultor e palestrante. Dornelas apontou que o papel dos educadores é o de, por meio de metodologias ativas, estimular que os estudantes excedam, que pensem além de suas realidades, coloquem sonhos em prática. Iniciativas estas que ele acredita que no futuro podem se tornar oportunidades de negócios.

“O brasileiro é conhecido por tantas boas qualidades como ser alegre, receptivo e inteligente. Porém, ele não é inovador. Os jovens precisam serem estimulados a fazer diferente, serem inspirados por bons exemplos. Cabe também ao professor este papel de mostrar que é possível inovar e fazer o novo. Para isso, é preciso estar focado em estimular o comportamento empreendedor e depois se atentar em processos que o ajudem a empreender”, orientou.

Wendell Gussoni, consultor do Sebrae/PR, destacou que o programa busca preparar cidadãos que sejam capazes de fazer a diferença em suas comunidades. “Estimulando boas práticas empreendedoras ainda nos bancos escolares, preparamos os estudantes para o mercado de trabalho, seja como colaborador ou dono do seu próprio negócio. Nosso objetivo é auxiliar que eles sejam empreendedores de suas próprias vidas”, afirmou.

Um dos participantes do Simpósio foi Daniel de Lima, diretor de ensino na Unifatecie, de Paranavaí. A instituição, com apoio do Sebrae/PR, implantou a disciplina de empreendedorismo em todos os cursos de graduação e também fomenta o surgimento de startups entre os estudantes. O diretor disse concordar com as avaliações de Gussoni e Dornelas. “Empreendedor não é apenas aquela pessoa que abre uma empresa, mas sim quem resolve problemas, gerencia conflitos, quem faz diferente em qualquer ambiente em que esteja. E é este perfil de indivíduo que estamos trabalhando para formar. Participar deste evento me estimula a seguir este caminho, temos muito trabalho pela frente”, assegurou.

NOROESTE

Na região Noroeste o Estado, o Sebrae/PR desenvolve, em parcerias com o Governo Estadual, com prefeituras e instituições privadas de ensino superior, o programa Educação Empreendedora. Neste ano, mais de 20 mil alunos estão participando de iniciativas que atuam com o propósito de consolidar a cultura empreendedora na educação.

Um exemplo de escolha que tem obtido bons resultados vem da cidade de Mandaguari, cidade em 4,6 mil estudantes participam do programa. A secretária municipal de educação, Adenise Batista Rodrigues, compartilhou a experiência de um grupo de alunos do 5 º ano que conheceu a história de um empresário do bairro, dono de uma lanchonete, que estudou na mesma escola que os estudantes quando criança.

“Eles conheciam o empreendedor e o admiravam por ser um homem de sucesso. Porém, a admiração cresceu ainda mais quando eles descobriram que o empresário estudou nas mesas salas que eles estudam e que tinha uma realidade econômica parecida com a deles. Eles foram inspirados por um exemplo próximo e real”, contou Adenise.

Outra cidade que aplica o programa é Maringá, onde o JEEP é desenvolvido desde 2011. Atualmente, 7,6 mil alunos de 37 escolas de tempo integral da rede municipal participam da inciativa. “Buscamos formar o indivíduo de maneira integral. Estimulamos que eles sejam protagonistas na sociedade”, afirmou Valkíria Trindade de Almeida Santos, secretária municipal de educação de Maringá.

Fonte: Savannah Comunicação Corporativa- empresa licitada do Sebrae/PR / Foto: Xuxa Fotógrafo

Compartilhe: