Sebrae/PR divulga diagnóstico estadual do setor de tecnologia

O Sebrae/PR disponibilizou o Diagnóstico TIC PR/2020-21. O estudo apresenta informações obtidas junto a 399 empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) no Paraná e vai contribuir para pautar ações estratégicas no setor. O download do material pode ser feito no site Sebrae/PR.

Os dados oferecem um panorama estadual nos eixos “negócios”, “pessoas” e “processos”. Segundo o consultor do Sebrae/PR, Vinicius Galindo de Mello, para garantir que empresas referências em suas regiões participassem do levantamento, a instituição contou com a parceria da Iguassu IT, Vale Digital, TI Paraná, Software by Maringá e Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro).

“O material que fornece para instituições, empresas e municípios informações aprofundadas sobre o setor. A partir disto, estratégias para potencializar os negócios poderão ser traçadas, a exemplo de soluções que o Sebrae/PR vai ofertar neste ano”, destaca o consultor.

NEGÓCIOS

No eixo “negócios”, 45% das empresas relataram carência de profissionais qualificados no mercado. Como principal ameaça, 44% apontaram a busca por novos fornecedores por parte dos clientes. Como reflexo disto, a necessidade de expansão para mercados nacionais e internacionais foi apresentada por 68% dos negócios.

O estudo apontou que o modelo SAAS (Software as a Service ou Software como um Serviço), que entrega sistemas e aplicativos pela internet, predomina nas empresas frente aos modelos que exigem instalação e manutenção em equipamentos e outros. “Os empresários demonstravam, há cerca de cinco anos, que o futuro seria este. E o diagnóstico confirma essa tendência, com 49% no modelo SAAS”, comenta o consultor.

Com relação aos impactos da pandemia, o setor se mostra fortalecido. Isso porque 46% não tiveram ou tiveram impacto baixo no faturamento, enquanto apenas 12,8% tiveram impacto alto e 7,5% muito alto. Isso apesar da dificuldade em conseguir novos clientes, apontada por mais de 41% das empresas.

O presidente da Assespro Paraná, Lucas Ribeiro, destaca que as empresas paranaenses têm nascido focadas no empreendedorismo de inovação, promovendo desenvolvimento tecnológico em polos regionais sólidos, o que ajuda a explicar um setor fortalecido.

“A pandemia ajudou a evidenciar a importância da área de TIC, que fortalece empregos, economia, gera soluções, qualidade de vida para as pessoas. O setor reagiu bem frente à crise, mas a busca por melhorias deve ser um processo contínuo, como o trabalho para reter talentos”, diz.

PESSOAS

No eixo “pessoas”, 44% das empresas operam em regime CLT, o que de acordo com o consultor do Sebrae/PR, representa um atrativo para profissionais. Em mais 60% do total de negócios, são oferecidos incentivos para reter mão de obra. Para ele, esse é um dos principais pontos para manter trabalhadores, considerando que com a ampliação do trabalho remoto, profissionais têm migrado para outros estados e países como Canadá, países da Europa e até vizinhos, a exemplo do Paraguai – no Paraná, durante a pandemia, 56% das empresas foram totalmente para o home office, oferecendo equipamentos e outras soluções aos colaboradores.

Empresário do setor e presidente da Iguassu IT, Marcio Pinheiro ressalta que os dados mostram a necessidade de investimento em educação e sugere para instituições oportunidades de montar capacitações mais rápidas.

“Visualizamos uma área em grande expansão, mas com risco de apagão de mão de obra. É preciso investir em mais capacitação para não limitar o crescimento das empresas”, diz Pinheiro. “As pessoas migram de empresa com facilidade. Os atrativos são não apenas o salário, mas aspectos como bem-estar e tecnologia”, acrescenta.

Em 70% das empresas, o quadro vai de 4 e 30 profissionais. Quanto maior a igualdade no número de homens e mulheres na organização, maior é o número de mulheres em cargos de decisão. Conforme o estudo, é possível encontrar mais mulheres em cargos de gestão em 94% das empresas com quadro mais equilibrado.

PROCESSOS

Característica do setor, a inovação está presente na maioria das empresas. Do total, 86% relataram investimentos em desenvolvimento de novos produtos, em razão também da opção pelo modelo SAAS.

Os negócios demonstraram preocupação quanto à segurança de dados, sendo que 75% deles já utilizam como modelo padrão de segurança a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Sobre as metodologias mais utilizadas, a mais evidente é a SCRUM, que confere mais agilidade, eficiência e qualidade aos projetos. Seguindo a opção por metodologias ágeis, as ferramentas de comunicação mais utilizadas são as redes sociais: 84% utilizam o Facebook para divulgação e 65% utilizam o LinkedIn, além do próprio site.

O estudo completo traz informações por região. As empresas participantes receberam feedbacks individuais.

Fonte: Agência Sebrae

Compartilhe:
Banner Edplants, Acesse