Polícia Militar escolta carretas com alimentos e combustíveis

Órgãos de Segurança do Estado, Defesa Civil, Polícias Civil e Militar e Exército, escoltam comboio de caminhões com suprimentos para supermercados de Curitiba. Curitiba, 30/05/2018. Foto: José Fernando Ogura/ANPr

A Polícia Militar do Paraná e a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil estão fazendo a escolta de caminhões que transportam mercadorias para supermercados de Curitiba e que levam combustíveis da Repar, de Araucária, para a capital e todo o Interior do Estado.

Cinquenta e uma carretas saíram de diversas regiões do Paraná em direção a Curitiba, entre a terça e quarta-feira (29 e 30). Além disso, desde terça-feira, 339 caminhões de combustíveis foram liberados para transportar combustíveis da Repar, de Araucária (RMC), e abastecer todo o Estado.

ALIMENTOS

No começo da tarde desta quarta-feira, dez caminhões da Cocamar carregados com café e 280 mil litros de óleo de soja chegaram em Curitiba, vindos de Maringá, para abastecer as redes de supermercado Mufatto e Condor. Também estão a caminho comboios com farinha de trigo, óleo vegetal, margarina, frango e leite. Além de supermercados, os produtos também vão abastecer panificadoras, restaurantes e mercearias.

As escoltas resultam de diálogo e entendimento entre o Governo do Estado e a Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). “A escolta está sendo fundamental para o transporte dos produtos e possibilita regularizar aos poucos o abastecimento. Não podemos deixar que falte comida para as pessoas”, afirmou o diretor da Ocepar, Luiz Roberto Baggio.

Ele destacou que a conversa entre o Governo do Estado, a Defesa Civil e a Ocepar tem o objetivo de garantir o abastecimento de alimentos. “Temos que cuidar para não faltar comida porque as cadeias produtivas demoram para reiniciar a produção. O Governo do Estado e as cooperativas estão preocupados com o desabastecimento”, disse ele.

DESDE O INÍCIO

O chefe administrativo da Defesa Civil, major Mário Sérgio Garcez da Silva, explicou que o órgão atua desde o início da greve dos caminhoneiros para evitar o problema de desabastecimento. “O gabinete de gestão da crise foi instalado no Centro de Gestão de Risco de Desastres, no Palácio das Araucárias, para trabalhar em cada ponto do movimento grevista, demandando algumas ações operacionais de transporte em comboio de cargas para restabelecer a ordem no Paraná”, disse.

ESTOQUES

Segundo o superintendente da Associação Paranaense de Supermercados (Apras), Valmor Rovaris, a mercadoria que chega transportada em comboios ajuda a recompor os estoques de alimentos que já estavam comprometidos.

Esta ação está sendo decisiva para restabelecer o abastecimento. Os estoques dos supermercados, e mesmo dos centros de distribuição das redes varejistas, estão com pouco suprimento de produtos da alimentação básica, como arroz e feijão. Frutas, legumes, verduras e alimentos lácteos estão quase acabando”, contou.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

Compartilhe: