Páscoa deve motivar aumento nas vendas no Paraná

Fecomércio PR projeta movimentação de R$ 144 milhões no varejo estadual

De acordo com previsões da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as vendas do varejo voltadas para a Páscoa deste ano deverão crescer 1,5% em relação ao ano passado no país. Se confirmada a projeção otimista, este será o terceiro ano seguido de crescimento real das vendas, mesmo com um ritmo inferior ao do ano passado, que foi de 2,0%.

No Paraná, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio PR), também projeta crescimento. Espera-se que as vendas relativas à Páscoa cresçam pelo segundo ano consecutivo. No ano passado as vendas do Estado foram impulsionadas positivamente em 3,42% em comparação a 2017.

Os supermercados e lojas de departamentos são os setores que devem receber o maior fluxo de consumidores. De acordo com a Pesquisa Conjuntural da Fecomércio PR, na Páscoa do ano passado, os supermercados tiveram elevação de 19,54% nas vendas e as lojas de departamentos, de 14,73%.

Mas estes não são os únicos setores a apresentar um comportamento mais expressivo nas vendas relacionadas à data. As lojas de vestuário e calçados cresceram em média de 15% no período anterior à Pascoa, o que demonstra que os paranaenses estão diversificando as opções de presentes nesta data, até mesmo por conta de hábitos mais saudáveis ou dietas, evitando os tradicionais ovos de chocolate.

A previsão é de que os estabelecimentos do ramo alimentício, os mais influenciados pelo aumento sazonal de vendas em datas comemorativas, faturem cerca de R$ 2,4 bilhões no país por conta da Semana Santa deste ano. No Paraná, a projeção pode chegar a R$144 milhões.

CHOCOLATES ESTÃO MAIS CAROS ESTE ANO

A pesquisa da CNC aponta ainda que os chocolates, carro-chefe das vendas de Páscoa, estão em média 5,7% mais caros nos valores de venda para os consumidores neste ano. Existe uma tendência do aumento de empresas ou até mesmo empreendedores que produzem produtos de Páscoa de forma artesanal, nem sempre vendidos pelo menor preço, mas que apostam em opções customizadas, de acordo com as preferências do consumidor.

TRABALHO TEMPORÁRIO

A pesquisa da CNC revela também que cerca de 10,7 mil novos postos de trabalho temporário deverão ser gerados por hiper e supermercados no país, que responderão por aproximadamente 65% do total de vagas a serem oferecidas. Fábricas de chocolates, restaurantes e hotéis também deverão gerar postos de trabalho temporário, sendo esse último devido ao feriado prolongado.

Fonte: Fernanda Ziegmann – Núcleo de Comunicação e Marketing do Sistema Fecomércio Sesc Senac PR

Compartilhe: