ONDE ESTÁ A IRMÃ BENIGNA?

Na verdade, eu quero saber como ela está… Notícias tem chegado de que lentamente ela melhora depois de um AVC. Uma pessoa tão ativa e dedicada ao conforto do ser humano, nunca se sentirá bem sabendo que uma perna e um braço não fazem mais os movimentos inteiros e que uma boca santa, que sempre falou só por causas justas, possa estar com alguma disfunção. Foram as consequências do AVC, para o corpo daquela Irmã santa que sempre se entregou totalmente à caridade.

Sem ela, ficamos desnudos, não há mais a referência de que problemas com crianças e adolescentes serão resolvidos com rapidez como ela resolvia. Perdemos o fim absoluto da caridade em Cianorte, eis que tudo que caía nas mãos da Irmã era resolvido de imediato. Se faltavam condições momentâneas para ela solucionar o que tinha diante de si, logo procurava seus amigos, que conquistou ao longo de vinte e cinco anos em Cianorte, que no silêncio, contribuíam sem reclamar e com dedicação e solidariedade.

Bem me lembro desta Irmãzinha humilde, falando baixinho, bem baixinho como era, tímida, respeitosa, quando chegou a Cianorte! Na Praça Osvaldo Cruz havia uma construção antiga que na missão fracassada de ser uma Santa Casa de Misericórdia, acabou servindo e muito, para abrigar idosos dependentes de cuidados diários. E assim se fez. A disposição do Nelson Casotti e de sua esposa, hoje, falecida, acolheram os idosos em estado de vulnerabilidade de nossa Cianorte e devagar foram acomodando naqueles espaços aos cuidados das Irmãs Vicentinas, tendo à frente, em determinado momento da história, é claro, a Irmã Benigna. A garra dessa mulher pequena a fez ir mais além e na fundação da Rainha da Paz, da qual foi idealizadora, abraçou as crianças que antes ficavam sós em casa em função do trabalho necessário dos pais e as colocou no contraturno. Nunca faltou comida, almoço em abundância, cardápio substancioso, com alimentos doados, café da tarde e da manhã, pois não há quem não acredite no resultado do trabalho desta Irmã. Há vinte e cinco atrás encontrávamos crianças pedindo auxílio nas portas dos supermercados e hoje… Nunca mais! Pão sempre é bom comer quentinho e lá foi a nossa Irmã Benigna mobilizar a comunidade para instalar uma padaria no local e as crianças passaram a desfrutar da própria produção da Rainha da Paz, além de servir de ponto de venda. A renda precisava aumentar e nós começamos com ela um trabalho para montar o Bazar Beneficente da Rainha da Paz, na avenida Souza Naves e lá se instalou uma loja de roupas novas e usadas, doadas, cuja venda serve de fonte renda de renda para garantir o conforto de mais de mil crianças aqui e em Vidigal. Nem um empresário faria tanto… A solidariedade falou mais alto, a comunidade se comoveu, o poder público garantiu recursos e hoje é uma entidades mais bem organizadas de Cianorte: a casa da Irmã Benigna.

Suponho que dificilmente, Irmã Benigna retome seu trabalho, pois um AVC deixa sequelas e impõe limites. Onde alguém com o mesmo olhar de caridade e de entrega será encontrado para continuar este trabalho? Embora a Rainha da Paz seja uma entidade organizada, com bons funcionários, a Rainha da Paz jamais será a mesma sem a presença acolhedora desta irmãzinha pequena e tão grande de alma. Como gostaria de vê-la novamente, por entre aqueles corredores, com seu hábito azul e branco estimulando este e aquele e dando conta daquela grande empresa santa de tratar com gente! E aqui fico rezando pela sua cura e pela sua volta!

Izaura Varella

Em 23 de agosto de 2019.

Compartilhe: