Estado e União firmam cooperação para acompanhamento de comunidades terapêuticas

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e o Ministério da Cidadania assinaram nesta última quinta-feira (24) um termo de cooperação técnica para o acompanhamento da execução, monitoramento e fiscalização de comunidades terapêuticas dedicadas ao acolhimento de pessoas com transtornos derivados do uso de substâncias psicoativas, além da reinserção social dos dependentes e apoio aos seus familiares.

O termo foi assinado pelo secretário estadual da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, e Quirino Cordeiro, secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), do Ministério da Cidadania.

“Os próximos 60 meses, período de vigência do termo de cooperação, serão importantes para a nossa pasta, que se voltará para um plano de trabalho eficaz e eficiente, com o intuito de se aproximar dos centros terapêuticos, para saber como eles pensam e trabalham”, disse o secretário Romulo Marinho Soares.

“Essa cooperação com o governo federal chega em um momento importante para a Secretaria porque percebemos, claramente, que o combate às drogas, por parte das forças policiais já é muito intenso. Precisamos agora ter um olhar para as pessoas que vivem esse problema e incentivar o nosso senso terapêutico aqui no Paraná”, disse ele.

O acordo de cooperação técnica tem por objetivo o acompanhamento das comunidades terapêuticas que tenham instrumentos celebrados com a União e o Estado para o acolhimento de pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependências de substâncias psicoativas.

De acordo com a diretora do Departamento de Prevenção, Cuidados e Reinserção Social, Claudia Gonçalves Leite, da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social do Ministério da Cidadania, atualmente, no Paraná, há 41 comunidades terapêuticas financiadas pelo governo federal, o que representa um total de 815 vagas para pessoas com dependências químicas.

O acesso ao Sistema de Gestão das Comunidades Terapêuticas (SISCT) será disponibilizado pelo Senapred à secretaria estadual da Segurança Pública. Também será ofertada a capacitação para o uso desta ferramenta.

AVANÇAR

O secretário nacional do Senapred, Quirino Cordeiro, reforça que a aproximação dos gestores públicos estaduais e municipais é essencial para avançar as políticas públicas de enfrentamentos às drogas. “Desta maneira, vamos identificar quais são as principais demandas dos estados e quais questões que podemos avançar, juntos”, disse ele.

“Com o plano de trabalho bem delimitado e especificado, vamos reforçar este trabalho, que já é bastante exitoso”, acrescentou.

AMPLIAR AÇÕES

A assinatura do documento vai permitir a ampliação nas ações que envolvem o atendimento gratuito de pessoas dependentes de vícios de drogas licitas e ilícitas. Isso envolve articulação nas ações de prevenção, cuidados, tratamento e reinserção social de dependentes químicos e apoio aos seus familiares, alinhando estratégias e compartilhando planejamentos de trabalho pertinentes aos temas.

Também será possível evitar pagamentos em duplicidade e, ainda, permitirá maior acesso e facilidade em obter informações a respeito das comunidades terapêuticas contratadas, tanto no governo federal quanto no Estado.

Além destes pontos, o acordo poderá partilhar as informações relacionadas ao perfil dos acolhidos, percentual de vagas ocupadas, tempo de permanência na comunidade terapêutica, rotatividade, motivos de saída. “Acreditamos que a união de esforços envolvendo órgãos de governos nas esferas federal, estadual, municipal, entidades do terceiro setor e toda a sociedade civil organizada é fundamental para o enfrentamento das diversas dimensões dos problemas causados pelas drogas. Este acordo de cooperação é mais um fruto muito importante e o exemplo desta união”, esclarece a diretora do Departamento de Prevenção, Cuidados e Reinserção Social, Claudia Gonçalves Leite.

CONQUISTA

O acordo dá a oportunidade do compartilhamento de relatório de visitas em consonância com a padronização estabelecida pelo governo federal, mapeamento de metodologia e boas práticas de prevenção ao uso de drogas, capacitação em relação à prevenção e tratamento ao uso de substancias psicoativas, participação e colaboração em eventos nacionais e internacionais.

O diretor do Núcleo Estadual de Políticas sobre Drogas (NEPSD) do Paraná, Renato Figueiroa, destaca que a cooperação como mais uma conquista para o Estado. “São mais de 800 vagas custodiadas pelo governo federal para quem mais precisa, como famílias carentes que tem problema de dependência, distribuídas em mais de 40 comunidades terapêuticas. A formalização deste acordo demonstra a importância de saberem como está sendo feito o nosso trabalho. Mostra ainda a preocupação do órgão federal na lisura de todo este processo”, finaliza.

COMUNIDADES TERAPÊUTICAS

É considerada como comunidade terapêuticas a entidade que aplica gratuitamente o acolhimento de pessoas que tem transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de substância psicoativas. Neste caso, o acolhimento é realizado por regime residencial transitório, sendo voluntário. O período de cada acolhimento vária de três a 12 meses, dependendo do projeto terapêutico da entidade. O principal instrumento utilizado nas Comunidades Terapêuticas durante o tratamento é a convivência entre os pares.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

Banner Edplants, Acesse