Criança que não respira bem pode ter deformidade da face

A saúde dos filhos é sempre uma prioridade para os pais e por isso, mesmo na infância, é bom ficar de olho em alguns sinais para evitar que seu filho tenha algum dos problemas dentários mais comuns da infância. A respiração é junto com a mastigação, um dos principais fatores que contribuem para o correto desenvolvimento dos ossos maxilares e consequentemente um correto posicionamento dos dentes.

Podemos perceber que os problemas respiratórios na infância são bastante frequentes, sejam por ordem genética, hábitos alimentares ou viciosos. É importante esclarecer que a relação desse problema na maioria das vezes está relacionada com problemas ortodônticos. Porém, poucos pais sabem dessa relação e quando procuram os serviços de ortodontia o caso já está bem adiantado.

Quando a criança passa a respirar pela boca, várias alterações começam a ocorrer, portanto, preste atenção se seu filho apresenta:

• A boca aberta a maior parte do tempo;

• A língua passa a ficar mais baixa, junto ao assoalho da boca em contato apenas com os dentes de baixo;

• A criança para facilitar a respiração bucal, projeta a cabeça para frente, esticando o pescoço, mudando a postura da coluna cervical.

Essas alterações, junto com a inversão da passagem do ar (o ar passa a entrar e sair pela boca e não pelo nariz) aos poucos vão trazendo alterações para os ossos maxilares, para as arcadas dentárias e para o posicionamento correto dos dentes.

As principais alterações que vemos são o céu da boca alto e estreito, as mordidas cruzadas (quando os dentes de cima encaixam por dentro e os de baixo por fora) que podem ser uni ou bilaterais, as mordidas abertas (quando os dentes da frente não se tocam, ficando um espaço entre eles), os apinhamentos dentários (pela falta de espaço os dentes ficam amontoados) e as retrusões mandibulares (falta de crescimento da mandíbula, o osso onde ficam os dentes de baixo, deixando um espaço horizontal grande entre os dentes anteriores de cima e os de baixo).

Portanto, a respiração bucal é um distúrbio respiratório comum na infância e um dos problemas mais preocupantes de saúde na criança. A sua duração prolongada pode ocasionar uma série de alterações estruturais e funcionais, com repercussões nos contextos físico, psicológico e social.

Os problemas advindos dessa síndrome e a sua complexidade são sérios, e se você perceber algo diferente em seu filho, marque uma avaliação para tratar o mais rápido possível e obter os melhores resultados.

Colaboração: Dr. Wagner Destéfano

Cirurgião Dentista – CRO 10637

Compartilhe:
Banner Edplants, Acesse