CIANORTE EM TEMPO DE VARÍOLA

Quando o primeiro prefeito municipal de Cianorte, Wilson Ferreira Varella assumiu o cargo de Prefeito, em 1.956, o município era muito grande abrangendo terras que hoje pertencem a Japurá e São Tomé. Nem bem assumiu a Prefeitura surgiu uma epidemia de varíola em todo o município. E o que Cianorte tinha de equipamentos, pessoal profissional, medicamentos? Nada, absolutamente. Não havia televisão, nem telefone e a única forma de se comunicar com outros lugares era através do telégrafo, apenas um, instalado no escritório da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná.

O pioneiro CELSO ANTONIO BROETTO foi contratado para atender as questões de saúde, sendo então, o primeiro funcionário do primeiro posto de saúde de Cianorte. Arrumaram uma porta num salão recém-construído e Celso logo de cara enfrentou um grande surto de Varíola em Cianorte e na região. Algumas pessoas começaram a apresentar febre alta, dor de cabeça e no corpo, e depois de uma incubação de 12 dias começaram a apresentar lesões purulentas na pele, pústulas com pus e que ao secar deixavam marcas fundas na pele. E que levava a óbito também. Como a varíola era uma virose infectocontagiosa e ocorria pelo contato com o doente e com gotículas de secreção, o vírus era expelido para o ar, e ai de quem estivesse perto. Havia uma senhora muito caprichosa e dedicada que cuidava do local, mas também ajudava Celso em suas tarefas: MARIA APARECIDA TELLES.

Com a chegada da vacina veio também a notícia de que a Gleba dos Sutis, na região de Japurá estava infestada pela varíola. Os Sutis eram um grupo nômade que não falava com estranhos, tão somente o chefe e se alongavam dentro da mata, vivendo da caça e pesca, de criação de animais e pequenas plantações de milho e mandioca. Celso Antonio Broetto, Maria Aparecida Telles foram levados com alguns funcionários da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná de Cianorte para o local. Estavam imunizados e lá partiram para conter o surto de varíola entre os Sutis. A intenção era aplicar a vacina nestes caboclos porque havia o temor de que esta doença contagiosa se propagasse. Levaram estes valorosos primeiros funcionários da saúde, presentes para as crianças, ferramentas, objetos que seriam úteis para eles e brinquedos.

Quando a equipe chegou e os contatos foram feitos, por várias idas e vindas para vencer a resistência e a desconfiança de todos que nunca tinham visto uma agulha de injeção. Tanto o Celso como a Dona Cida buscavam as crianças que saíam correndo e gritando. Eles levavam figuras, contavam histórias explicavam o que era a doença e que o remédio era para eles não ficarem com a doença. Precisava de duas ou até entrevistas para convencer aquele povo criado no meio do mato. Os dois reuniam o povo num ranchinho, orientavam como fazerem a limpeza do local e no fim eles iam ficando amigos de Celso e Dona Cida. Foi trazidos aos poucos para a unidade sanitária, de caminhão, de carroça, de cavalo, e assim Celso foi dando continuidade na aplicação da vacina.

A varíola foi erradicada no Brasil no ano de 1.972 e erradicada no mundo a partir de 1.980, um bichinho que desde três mil anos atrás matava também os faraós.

Passaram-se mais de três mil anos para que a varíola viesse ser erradicada no mundo, e quando o Covid vai ser erradicado?

Izaura Varella, que teve Celso Antonio Broetto e Maria Aparecida Telles como seus amigos.

Compartilhe:
Banner Edplants, Acesse