Banco do Empreendedor auxilia na expansão de negócio de food truck

Fizemos um bom negócio”, comenta empresário contemplado por financiamento

Insatisfeitos com os empregos que possuíam, o casal Natan Costa Ribeiro e Silvia Regina Pires Ribeiro, buscaram uma alternativa. Há cerca de dois anos, apostaram em um trailer e na cultura de se alimentar na rua. “Era algo que estava no gosto das pessoas. Juntamos todas as nossas economias – cerca de R$ 5 mil – e, sem experiência nenhuma e com vontade de vencer, montamos nosso primeiro negócio que comercializa hot dogs de qualidade”, contam.

O empreendimento de cara foi um sucesso. “As pessoas gostaram da nossa proposta, que apesar de muito comum em outros países, era pouco difundida por aqui. O produto se tratava de uma baguete, com salsicha na chapa e um molho diferente”, explica Natan. Com o tempo, o movimento começou a cair. “Como em qualquer negócio, deixou de ser novidade. Foi quando sentimos que precisávamos mexer com o nosso público. Havia chego a hora de inovar e precisava ser rápido”, completa.

Após participar de um evento, surgiu a ideia de também montar um food truck para comercializar hambúrgueres gourmet e chopp artesanal. “O problema é que não tínhamos como investir. Apesar de eu mesmo estar personalizando uma Kombi para isso e ter economias, precisávamos de dinheiro para a compra dos equipamentos. Não ia ter como terminar sem um empurrão”, conta. Foi quando buscaram o apoio do Banco do Empreendedor. “Tinha escutado falar no aumento da linha de crédito em uma matéria e das taxas de juros abaixo do valor de mercado”, relembra o empresário.

O casal financiou pouco mais de R$ 4 mil, valor suficiente para terminar o veículo adaptado e iniciar o atendimento, em dezembro do ano passado. “Fizemos um bom negócio. Agora, com a Kombi estacionada ao lado do trailer, atraímos um público maior para o local. Saímos ganhando nos dois empreendimentos e as possibilidades de crescer foram significativamente ampliadas”, conclui Natan.

O casal encontrou, em meio às dificuldades, uma alternativa para continuar a manter os lucros. É satisfatório verificar que isso foi possível com o apoio do Banco do Empreendedor que, além de estimular o desenvolvimento dos micro e pequenos negócios, faz a economia da cidade girar, pois é aplicado nos estabelecimentos e prestadores de serviços do próprio município”, pontuou o secretário municipal de Indústria, Comércio, Serviços, Vestuário e Turismo, Wanderley Fernandes.

A agente de crédito do Banco do Empreendedor de Cianorte, Sandra Costa, relembra que outras atividades também podem contar com o apoio do órgão. “O financiamento é muito simples e rápido. Empresas de limpeza, bares e lanchonetes, artesanatos, vendedoras de roupas, apicultores, azulejistas, construção civil, metalúrgicas, borracharias, confeitarias, entre outras, também se enquadram no programa”, informa.

BANCO DO EMPREENDEDOR

Os valores disponíveis para crédito podem chegar a R$ 20 mil para investimentos fixos (obras, reformas e aquisições de equipamentos) e R$ 6 mil para capital de giro (mercadorias e matéria-prima). Em 2018, mais de 85 empresas já foram atendidas pelo Banco do Empreendedor de Cianorte, totalizando mais de R$ 519 mil em financiamentos. No município, o local atende na Agência do Trabalhador, que fica na Avenida Paraná, 510 ou através do telefone 3351-3208.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Cianorte

Compartilhe: