APAE conta com o Imposto Solidário para promover o desenvolvimento motor de crianças

 

Você sabia que a superação de uma criança que não tem sustentação de tronco e passa a andar pode ter início com a sua declaração do Imposto de Renda? Em Cianorte, todo contribuinte que opta pelo formulário de modelo completo tem a possibilidade de destinar parte do IR, seja devido ou retido na fonte, ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), que repassa a projetos de defesa e promoção social, como os da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) que, com o recurso, espera retomar o Protocolo PediaSuit para o tratamento de reabilitação/habilitação das funções motoras e cognitivas.

De novembro de 2019 a outubro de 2020, a entidade recebeu R$ 70.852,04, oriundos do Imposto de Renda Solidário, que possibilitaram a realização de 24 protocolos para crianças com deficiência, promovendo uma melhora efetiva da qualidade de vida. “Trata-se de uma terapia intensiva, com a duração de quatro semanas, realizada de segunda a sexta-feira, com atendimento individual de, no mínimo, duas horas diárias, que requer a atuação do fisioterapeuta e um auxiliar, além de um nutricionista, essencial para garantir a alimentação adequada para execução dos exercícios. Ao final do ciclo, ainda há sessões de manutenção e, de acordo com a necessidade, com o decorrer do tempo, o protocolo pode ser repetido”, explicou a diretora da APAE, Maria Regina Rocco Peroco.

Segundo a fisioterapeuta da entidade, Letícia Francini Ribeiro, um ciclo do Protocolo PediaSuit equivale a um ano e meio ou dois de fisioterapia convencional. “São ganhos extremamente importantes no desenvolvimento em menor tempo. As atividades envolvem uma roupa especial, com bandas elásticas, ajustadas de acordo com as especificidades do paciente, bem como a gaiola de habilidades e outros equipamentos, que permitem reeducar a musculatura, de maneira que a criança consiga realizar os movimentos de maneira mais adequada e eficaz. Temos casos em que, após dois ou três protocolos, pacientes que não tinham nenhum controle cervical ou de tronco, passaram a sentar, engatinhar, andar e alcançar autonomia em tarefas do dia a dia, como contribuir com movimentos ao comer e vestir”, destacou.

“O Protocolo PediaSuit é uma das mais modernas terapias ortopédicas da atualidade. No entanto, seu custo é elevado e a APAE não tem condições de arcar, sozinha, com a sua realização. No momento, o projeto está paralisado, aguardando parcerias, editais ou outras formas de incentivo, entre as quais está o Imposto de Renda Solidário. Por isso, pedimos aos cianortenses que colaborem”, solicitou a diretora, lembrando que não é preciso pagar nada a mais por isso.

“A doação sai do imposto que já seria pago de qualquer forma à Receita Federal. A diferença é que uma porcentagem do dinheiro deixa de ir para a União e permanece no próprio município. Por isso, o Imposto de Renda Solidário não é somente uma participação financeira, é uma contribuição cidadã direta, na qual o contribuinte sabe exatamente como e onde seu recurso está sendo empregado. Assim, pedimos que opte pela destinação. Fale com o seu contador, cada participação faz a diferença”, salientou Regina. Mais informações estão disponíveis no site do CMDCA (https://www.cianorte.pr.gov.br/conselhodacrianca/).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de Cianorte

Compartilhe:
Banner Edplants, Acesse