Alimentação escolar reforça cuidados com alergias e intolerâncias

Merendeiras, embora já preparem pratos específicos para as crianças com restrições alimentares, participaram de formação para esclarecer dúvidas sobre os assuntos

As alergias alimentares têm se manifestado cada vez mais durante a infância. Dados do Consenso Brasileiro de Alergia Alimentar, publicados em abril deste ano, indicam que a aversão a alguns alimentos atinge quase 6% das crianças de até três anos, número que entre os adultos cai para 3,5%. Em Cianorte, a situação é parecida. Ano a ano, a Secretaria de Educação identifica o aumento de alérgicos e intolerantes no ambiente escolar. Em 2018, foram 70 alunos identificados, 35% a mais que no ano passado.

Os índices cresceram nos últimos tempos por conta de vários fatores, entre eles, a introdução alimentar inadequada; a iniciação a alimentos alérgicos de modo muito tardio ou precoce; a alteração dos produtos, por conta da industrialização e processamento; entre outros motivos”, explica a nutricionista da Divisão de Alimentação Escolar, Fabiana Oliveira Garcia, que, junto da colega de profissão, Elimary Francelino de Oliveira, intensifica os cuidados nas Escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).

As profissionais promoveram, nos dias 13 e 30 de julho, formação com as mais de 100 merendeiras que atuam nessas instituições e também na APAE e no Cei São José. “Os alunos que possuem doenças alimentares já recebem alimentação especial nestes locais, contudo, realizamos estes momentos para deixar o assunto cada vez mais claro entre elas”, pontuou Fabiana. Durante as palestras, foram abordados todos os tipos de alergias, como à proteína do leite, ao ovo, ao tomate, e a intolerância à lactose.

Nosso maior interesse era diferenciar as alergias das intolerâncias, assim como apontar quais alimentos são adequados para cada dieta restritiva e como devem ser os manuseios apropriados”, enfatizou Elimary. Segundo ela, a alimentação específica nas instituições de ensino é ofertada a todos os estudantes que apresentam laudo médico indicando a restrição. “As merendeiras fazem uma refeição própria para cada um, de acordo com a sua necessidade”, afirma.

Os pais podem ficar despreocupados. Cada vez mais nossa equipe tem buscado ampliar os cuidados alimentares na merenda, de modo a oferecer um cardápio variado e saudável, auxiliando no desenvolvimento de cada criança”, informa a secretária municipal de Educação e Cultura, Maria Neuza Casassa. Além das formações, as merendeiras participaram momentos de descontração, com o sorteio de brindes cedidos pelas diretoras das Escolas e CMEIS.

As oportunidades também foram acompanhadas pelo prefeito Bongiorno; pelo deputado federal Zeca Dirceu; pelo vereador Silvio do Pátio; pela diretora da Secretaria de Educação, Zilda de Assis; pela assessora educacional do Ensino Fundamental, Eliane Lopes; e pela Chefe da Divisão de Alimentação Escolar, Regina Marta Valões Fonseca.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Cianorte

Compartilhe: