A CARTA QUE EU RECEBI

Não foi sem muito esforço pessoal que escrevi o livro “Sob as sombras das perobas da minha terra”. Mas, também escrevi porque como historiadora e conhecendo a historia de nossa Cianorte em detalhes não poderia guardar comigo, tão somente, estas lembranças, e sim, dividi-las com nossos irmãos cianortenses.

Aqueles que manifestaram desejo de ter o livro fiz questão de presentear com um volume. Assim como foi o que aconteceu com meu amigo CARLOS ALBERTO DALLA COSTA. E para minha surpresa foi ele que me presenteou com uma carta que me enviou e que me deixou muito emocionada. Por conter uma mensagem carregada pelo vigor do reconhecimento e da amizade resolvi transcrevê-la nesta coluna, pois desta vez ele será meu homenageado. Amigo de tantos anos, Carlão, estou muito agradecida pelas lindas palavras que me comoveram:

“Querida Izaura:

Estou embarcando no seu carro, de carona, em um veículo que você batizou de “SOB AS SOMBRAS DAS PEROBAS DA MINHA TERRA”. Usei o termo “carona”, pois é assim que estou me sentindo ao ler o seu livro; uma pessoa que está no mesmo veículo que outra e está sendo conduzido por ela. Estou começando a viagem e após passar pelas homenagens, dedicatórias, etc., me deparo com a parte que provavelmente mais vou gostar do livro; algumas das lembranças da sua vida em Cianorte. Estas recordações fizeram com que fossem reavivadas muitas das minhas que estavam esquecidas nas prateleiras da memória. Tais acontecimentos me emocionaram e me deram muito prazer. Estou agora conhecendo um primoroso, cansativo e bem completo trabalho de pesquisa onde fiquei conhecendo as características da região onde se situa Cianorte. A geografia e a história de nossa região, está magnificamente, descritas em um trabalho muito completo, que certamente servirá como fonte de pesquisa, para os nossos estudantes e para todos aqueles que querem conhecer um pouco mais a fundo a terra que nos acolhe. Lá pelas tantas, sou apresentado aos Xetás e Sutis. Depois de conhecer as características geográficas passei a conhecer a influência inglesa na colonização de nossa região. Que fantástica foi a garra e a vontade que motivou as pessoas que iniciaram a abertura da mata, que hoje se tornou uma das regiões mais prósperas do Brasil. Vou seguindo viagem através dos conhecimentos e depoimentos de algumas pessoas, dentre muitas outras que contribuíram para que Cianorte acontecesse. Alguns dos fatos descritos forma por mim vivenciados e outros são inéditos, porém, todos são importantes e fazem parte da história. Ao ver tanta informação que desconhecia, me veio à memória, aquele sábio ditado: “Quando morre um ser humano é como se uma enorme biblioteca inteira, tivesse se incendiado.”

Desço do carro. Agradeço a carona e tenho certeza de que vou ter que fazer esta viagem mais vezes para poder observar melhor paisagens que passaram despercebidas. Parabéns, minha amiga, pelo livro, pelo primoroso e árduo trabalho de pesquisa, e por este legado de informações, que certamente será uma ótima fonte de pesquisa para as gerações futuras e por todos aqueles que amam e são agradecidos por este pedaço de sua terra mãe.”

Carlos Alberto Dalla Costa

Muito emocionada, Carlos, agradeço de coração.

Izaura Varella

Cidadã Cianortense

Compartilhe: