Videomonitoramento interligado agiliza chegada da polícia

monitoramento

Sete municípios paranaenses já interligaram seus sistemas de videomonitoramento ao Centro Integrado de Comando e Controle da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária. São aproximadamente duas mil câmeras localizadas em pontos estratégicos: ruas, estações, terminais, rotatórias. As câmeras possuem também sistema de leitura de placas de veículos.

Atualmente, as imagens compartilhadas partem de câmeras de Curitiba, Quitandinha, Barracão, Guaíra, Marechal Cândido Rondon, Santa Helena e Santo Antônio do Sudoeste. “O Centro Integrado de Comando e Controle tem uma capacidade enorme de recepção de informações e de coordenar ações policiais, seja em grandes eventos ou para alimentar investigações”, afirma o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita.

Há outras cidades da Região Metropolitana e do litoral do Estado que estão em processo de negociação para possíveis aquisições de seus respectivos aparelhos. “Nós temos recebido prefeitos e parlamentares estaduais para apresentar a estrutura do Centro Integrado de Comando e Controle, caso haja interesse dos municípios em comprar essas câmeras e compartilhar com as forças policiais”, explica o secretário.

AGILIDADE – Com a interligação dos equipamentos, a imagem pode ser gerada diretamente da estrutura municipal para o Centro Integrado de Comando e Controle, ficando disponível para a polícia e agilizando a resposta dos agentes de segurança. “Podemos fazer um cerco virtual das cidades – de locais de grande movimentação, comércios ou grandes entroncamentos rodoviários – e disponibilizar estes registros para o Centro de Comando e Controle imediatamente após qualquer evento criminoso ou como elemento de investigação. Isso potencializa o trabalho da polícia, que pode consultar as imagens rapidamente e a partir daí movimentar para um eventual cerco na região e localizar criminosos”, explica Mesquita.

FUNCIONAMENTO – Além de inibir ações delituosas e de auxílio na apuração de crimes e infrações, as câmeras direcionadas para o Centro Integrado de Comando e Controle acompanham o desenrolar de grandes eventos e com grandes aglomerações de pessoas, como eleições, provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), jogos esportivos ou manifestações populares. Entre as câmeras disponíveis, junto aos equipamentos das prefeituras municipais, estão aquelas que foram instaladas durante a Copa do Mundo 2014 e ficaram como legado para o Estado.

“É importante que se diga que a segurança pública não se faz apenas com recursos humanos e materiais, ou seja, apenas com a contratação de mais policiais e a compra de mais viaturas. A segurança pública deve ser entendida como um conjunto, pela análise de dados estatísticos e, principalmente, da integração de recursos tecnológicos”, analisa o coordenador do Centro Integrado de Comando e Controle, major Adilson Correa.

Ele reforça a necessidade de que os sistemas utilizados pelas forças de segurança sejam compartilhados, da mesma forma que a troca de informações. “Nenhuma tecnologia vai substituir o ser humano, mas ela vem a somar na área de segurança pública. Por isso é importante que os sistemas estejam integrados de uma forma que todos possam ter acesso, ou seja, Guarda Municipal, Polícia Militar, Polícia Civil e outros órgãos relacionados”, defende o major.

O aparato tecnológico da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária também permite o monitoramento dos indivíduos que receberam o benefício da tornozeleira eletrônica como parte do cumprimento da pena, concedido pelo Poder Judiciário.

Texto e foto: SESP-PR

Compartilhe: