SÓ OTIMISMO

Perdi agora a metade de minh’alma,

Por onde anda a outra metade?

E comigo ficou alojada a pior metade,

Da dor e da solidão!

Por que a metade alegre se perdeu de mim

E por onde foi?

Porque a melhor metade da esperança não volta?

Fiz da metade do que ficou

Um polo de sofrimento.

Mas sei que fui eu que criei esta metade

E não vou dar espaço para se tornar inteira.

Como um esperançoso pássaro de asas abertas

Vou correndo em busca da metade boa que saiu de mim!

E eu diria como o Padre Fábio de Melo:

“O peso que a gente leva

Olho ao meu redor e descubro que as coisas que quero levar não podem ser levadas. Excedem aos tamanhos permitidos.

É nessa hora que dewscubro que partir é uma experiência inevitável,

De sofrer ausências…

E nisso mora o encanto da viagem.

Andar na direção do outro é também fazer uma viagem…

MAS NÃO LEVE MUITA COISA.

Não tenha medo das ausências que sentirá.

Não leve seus pesos.

Eles não lhes permitirão encontrar o outroi.

Viagem leve, leve, leve, bem leve…

Mas não se leve!”

Izaura Varella

Em outubro de 2.019

Compartilhe: