Setor de madeira plantada parte para formar associação

 

madeira01A reunião (foto) da última quinta-feira (27) em Cianorte sobre a madeira plantada tem seus primeiros desdobramentos. O workshop com membros da Associação dos Municípios do Médio Noroeste do Estado do Paraná (Amenorte) definiu por duas ações que acontecerão em breve na região: a primeira será a formação de uma associação ou cooperativa como parte da organização do setor; depois uma nova reunião em 15 dias, dessa vez com prefeitos, secretários municipais e vereadores da região para apresentar o potencial econômico da atividade. “O setor está totalmente desorganizado”, avalia o chefe do Núcleo Regional da SEAB de Cianorte e engenheiro agrônomo, Francisco Cascardo Neto. “Tem muita gente trabalhando com madeira por conta própria e também muita gente que quer investir e não sabe como”.

Ele estima que tenha aproximadamente 500 envolvidos em atividades de madeira plantada, entre produtores, viveiristas, carvoarias, lavanderias, agroindústrias, movelarias, entre outros que beneficiam e/ou negociam a madeira na região cianortense.

Justamente por não haver dados precisos é que uma empresa fará levantamento para registrar oficialmente e dar referencias sobre quem faz o que e qual tipo de material tem disponível na região. A Seab tem dados antigos, entre 2011 e 2013, que não ajudam muito na organização e planejamento.

Essa estruturação busca gerir o segmento para baratear o custo, direcionar a produção e melhorar a qualidade dos produtos. Hoje tem produtor oferecendo madeira para lenha, mas que poderia oferecer madeira para móvel e lucrar dez vezes mais. Ou vice-versa, entre outras situações comuns com a falta de assistência técnica que havia e agora a Seab oferece na região.

Desde março o engenheiro agrônomo Anizio Menarim Filho e o engenheiro florestal Miler Roberto Martins Siqueira trabalham nos bastidores, o que resultou na reunião dessa semana em Cianorte. O trabalho é pelo Instituto de Florestas do Paraná em parcerias com outros órgãos.

TERRAS – A organização da cadeia produtiva de madeira plantada é oportuna porque a região tem diminuído a area e procedimentos na cana-de-açúcar. Como a não renovação das areas arrendadas. Com isso, em breve sobrará mais terrenos para atividades rurais. “A madeira plantada tem um importante papel econômico e social na região, podendo gerar mais pagamento de impostos, emprego e renda”, considera Cascardo.

Texto: Andye Iore / Foto: Seab Cianorte

Compartilhe: