Sempre Valerá a Pena Conhecer a História de Nossa Cianorte

No ano de 1924, Lord Lovat investia no Sudão, na África, na plantação de algodão. Ciente da fertilidade das terras de São Paulo e do norte do Paraná, ele e seus sócios resolveram fundar a Brazil Plantations Syndicate Ltd. João Sampaio e Antonio Moraes Barros era advogados e com Arthur Tomaz constituíram oficialmente a Companhia de Terras Norte do Paraná, matriz de Londres, em 24 de setembro de 1925. Com a intenção posterior de adquirirem as terras em mata no norte do Paraná e depois vender estas terras em lotes, decidiram liquidar a Brazil Plantations e fundaram a Paraná Plantation Company ou Companhia de Terras Norte do Paraná, assim chamada no Brasil. Assim pararam com a intenção inicial de produzir algodão, compraram ações da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, adquiriram uma área inicial de 415 alqueires do Governo do Paraná, com a garantia de que teriam a posse absoluta, sem interferência de posseiros para que os títulos vendidos posteriormente, tivessem legitimidade.

E assim, internaram-se pela floresta e homens e máquinas irmanaram-se em busca do absolutamente desconhecido. Em 1932, já chegavam na região de Londrina, grupos grandes de compradores de terra, alemães, italianos, japoneses e brasileiros. Em apenas uma semana a Cia. atendeu 67 compradores. A intenção da colonizadora era fundar cidades que se tornassem núcleos econômicos, de cem em cem quilômetros, circundados por um cinturão verde. Assim, patrimônios seriam fundados entre 10 a 15 quilômetros um do outro, e os lotes de áreas pequenas eram vendidos com o objetivo de produzir aves, ovos, porcos, frutas, hortaliças e legumes para abastecer os centros maiores. Ainda restaria terra suficiente para o plantio de café, arroz, milho, feijão e outros cereais que eram plantados entre os pés de café. Os núcleos maiores, que se tornaram cidades de referência em população, como Maringá, Londrina, Cianorte, se tornaram autossuficientes, a população em menos de 50 anos migrou em massa, e ocuparam toda a região do norte do Paraná e o Norte Novíssimo onde se situa Cianorte. Esta sempre foi a intenção inicial da Companhia de Terras Norte do Paraná que mais tarde seria adquirida por brasileiros e mudou sua denominação para Companhia Melhoramentos Norte do Paraná.

Hoje, consultando o Censo Agropecuário 2017 do IBGEInstituto Brasileiro de Geografia e Estatística, cuja coleta de dados se encerrou em abril de 2018, percebo que a pesquisa revela uma enorme redução de propriedades rurais em sete municípios, incluindo Cianorte. A coleta de dados desta região aponta que houve uma redução de pequenas propriedades agrícolas em 26%. Só em Cianorte, a redução foi de 16,5%. Dez anos atrás Cianorte tinha 1.623 propriedades e agora tem 1.356, sendo que 217 propriedades desapareceram. Como? Lógico… Foram compradas e conectadas a outras propriedades maiores.

Esta nunca foi a intenção inicial da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná. Porém, há que se dar tempo ao tempo. O avanço da tecnologia deu espaço para o aparecimento e fortalecimento de grandes propriedades. O avanço da produção do álcool também permitiu o arrendamento de lotes menores às usinas, suprimindo a vocação inicial daqueles pequenos lotes.

Já se passaram 65 anos de fundação de Cianorte e os tempos são outros. O futuro dirá se esta mudança foi benéfica para todos.

Izaura Aparecida Tomaroli Varella

Compartilhe: