RELAÇÃO DO BRUXISMO COM O ESTRESSE


O bruxismo é caracterizado pelo ato parafuncional de apertar ou ranger dos dentes, que pode ocorrer de maneira consciente ou inconsciente, durante o sono ou em vigília. Dados do Instituto Nacional de Pesquisa Crâniofacial e Dental revelam que 10,8 milhões de pessoas sofrem de dores na articulação temporomandibular em função do estresse. O bruxismo apresenta etiologia ampla, onde a gravidade do dano varia em cada indivíduo e deve ser avaliado e tratado individualmente.

Nos casos de estresse, ansiedade, depressão ou medo, geralmente ocorre apertamento ou o ranger dos dentes. Isso acontece também, quando dormimos e sonhamos com os acontecimentos negativos que vivenciamos no dia-a-dia.

A raiva, o rancor e a mágoa, que guardamos e não damos oportunidade para dissipá-los, quer através de atividades de lazer, quer perdoando e esquecendo-os, criam sérios problemas em nosso corpo e mente. Em muitos casos, esse estresse, acaba se transformando em problemas de bruxismo, pois o paciente começa a descarregar essas emoções rangendo ou apertando os dentes, como uma válvula de escape.

O estresse é certamente um fator fundamental no aumento da tensão muscular no dia-a-dia, e como tal, exige cuidados para o auto-controle. Assim, na abordagem clínica, deve-se considerar todo o modo de viver do paciente, sua infância, conflitos familiares, fator conjugal, posição social, situação profissional.

Em alguns casos, os sintomas de bruxismo são devido ao organismo que está tentando desgastar os dentes, a fim de reaver a posição de equilíbrio dentário (nos casos quando os dentes, não se encontram na posição de conforto ideal). Esse problema, associado à questão emocional, pode gerar muito desconforto ao paciente.

Portanto, se os dentes já estiverem desequilibrados, o paciente tem grandes chances de apresentar além dos sintomas de dor, outros problemas relacionados à disfunção temporomandibular. Por isso é importante avaliar além dos problemas dentais, a parte emocional, para que os resultados sejam mais positivos, tanto no bruxismo como nas Disfunções Têmporo-mandibulares.

Como recuperar a forma dos dentes desgastados é a maior preocupação dos pacientes. Resinas e porcelanas para restaurações ou próteses dentárias continuam sendo as técnicas tradicionais para reparar e recuperar os desgastes pelo bruxismo. A prevenção, pela adoção da placa mio relaxante e atitudes contra a ação muscular do bruxismo continuam sendo uma forma eficaz de evitar a perda da dimensão de altura da mordida e que produz o maior comprometimento estéticos.

Cada caso deve ser muito bem avaliado, mas didaticamente podemos dizer que normalmente no bruxismo leve os dentes podem ser restaurados com resinas, já no bruxismo severo a indicação mais adequada pode ser as restaurações em porcelana. Ao primeiro sinal de desgaste dental, procure um especialista para o quadro não se agravar e trazer maiores problemas.

Colaboração: Dr. Wagner Destéfano

Cirurgião Dentista – CRO 10637

Compartilhe: