Quando um ateu recebe a Eucaristia

QUANDO UM ATEU RECEBE A EUCARISTIA

Os momentos que antecedem os pleitos eleitorais são os melhores tempos para se observar o caráter do candidato. Eis que foram bulir na celebração mais importante da Igreja Católica que é a Sagrada Eucaristia! Indignada, não me conformo em assistir pessoas que se dizem “não cristãos” venham, hipocritamente, receber a Sagrada Comunhão, com fins eleitorais! Ela disse, taxativamente: “eu não sou cristã”, ora, porque se aproximou do sacerdote, então, para receber aquilo que considero o ato mais sagrado da Igreja Católica?

Aí me lembrei de uma parábola narrada pelo Santo Evangelho de um bondoso rei, que ao celebrar o casamento de seu filho preparou um grande banquete para receber os convidados. Muitos deles se recusaram a ir às núpcias, então, o rei pediu aos seus criados que fossem às ruas e convidassem todos a quem encontravam. Quando a sala já estava cheia o rei foi passar em revista os convidados e encontrou um deles a quem perguntou: “Amigo, como entraste aqui não tendo a veste nupcial?” Imediatamente, o rei deu ordem para que retirassem este homem e o levassem ao calabouço, porque ele não estava preparado dignamente para a festa.

Este banquete representa a Sagrada Eucaristia, a Sagrada Comunhão. Os convidados às núpcias são todos os homens da Terra. Aquele homem não se apresentou ao banquete com a veste nupcial. O rei que proveu a festa representa o Padre Eterno, seu filho é Jesus Cristo que se desposa com a natureza humana! Pensem nisto, como é simbólico e lindo!

Esta parábola significa que Deus criou todos os homens para o Paraíso e convida a todos, indistintamente, pela fé e pelos sacramentos, e a Eucaristia é um sacramento, para chegar ao Paraíso. Muitos entre estes convidados não querem crer: são os ateus. Finalmente, alguns vão ao banquete, porém, sem a veste nupcial: são os SACRÍLEGOS, representados por aquele infeliz expulso do banquete”.

Verdade que são muitos aqueles, que infelizmente, comungam sem a veste nupcial, entre eles a sacrílega, que ousou receber a Eucaristia, sem as vestes nupciais. Então, porque ela foi ao Banquete? Não foi obrigada, um motivo de vaidade pessoal, em busca ao poder a levou ao banquete, mesmo sabendo que era indigna, quando deveria apresentar pretextos ou pedir desculpas antes de entrar. E aqui vale lembrar as palavras do Apóstolo Paulo: “Aquele que come a minha carne indignamente, come a sua mesma condenação e a si mesmo se julga”.

Ai da pessoa que ousa aproximar-se da mesa sagrada para receber a Comunhão das mãos de um Sacerdote, sem estar com a veste nupcial adequada e sem estar preparada. “Ser-lhe-á um veneno mortal!

E a sacrílega comungou!

Izaura Varella

Sou cristã, sou Católica

Fonte: Livro “Comungai bem” do Rev. Pe. Luiz Chiavarino

Compartilhe: