Quadrilha suspeita de roubar 22 bancos é presa no PR

quadrilha-jan21

Uma quadrilha suspeita de praticar 22 roubos a bancos e caixas eletrônicos foi presa na manhã de hoje (21), durante a Operação Cangaço deflagrada pelo Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diep), conta com apoio das Polícias Civil e Militar. A última ação do bando aconteceu na segunda-feira (18) na cidade de Curiúva.

A operação teve como objetivo cumprir 23 mandados de prisão e outros 44 de busca e apreensão. Até às 11h, vinte pessoas haviam sido presas, entre elas um funcionário público da Prefeitura de Ortigueira. Ele é suspeito de operar as máquinas retroescavadeiras em um dos assaltos. Fabiano de Jesus Pereira Ortis, 27 anos, considerado um dos líderes da quadrilha, foi morto durante a operação. Ele reagiu à presença da equipe, foi baleado e encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Com ele, os policias apreenderam uma metralhadora e uma pistola .40.

Além de Ortigueira a operação aconteceu em Telêmaco Borba, Imbaú, Faxinal, Lerroville, Mauá da Serra e Londrina. De acordo com o balanço parcial da ação, foram apreendidos, drogas, armas, carros, pistolas, metralhadoras, munições, farda camuflada, balança de precisão, pistolas, uma grande quantidade de cigarro,celulares, pendrive, mascaras, computadores.

“Esse tipo de ação criminosa, organizada, armada e violenta deve ser combatida com prioridade pela Segurança Pública do Paraná, até pelo trauma que causa na sociedade. Somente com ações integradas, no modelo de força-tarefa, com suporte dos órgãos de inteligência, será possível alcançar o resultado de sucesso, como este da Operação Cangaço”, disse o secretário da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita.

Parte desta quadrilha foi presa em 12 de setembro de 2015, na BR 277, em São José dos Pinhais, onde os suspeitos estavam repassando fuzis para outros integrantes da organização criminosa. Dez pessoas foram presas e o líder do bando Amaral Ferreira Americano, de 36 anos, morreu após trocar tiros com os policiais. Dentro da quadrilha, Amaral era quem sabia manusear explosivos. Após a morte dele, o bando começou a diversificar o modus operandi passando a usar, por exemplo, retroescavadeiras para destruir as agências bancárias e roubar o cofre. Uma característica marcante desta organização criminosa é a violência empregada em algumas ações como em Curiúva e Tamarana.

Durante a investigação, a equipe do Diep constatou que esta quadrilha pode ter roubado quase R$ 4 milhões das instituições bancárias. Em algumas cidades, os criminosos roubaram mais de um banco e até uma agência dos Correios. Os suspeitos são acusados de crimes como associação criminosa, roubo, furto, tentativa de homicídio, cárcere privado, porte ilegal de arma de fogo de calibre restrito, receptação, tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e contrabando.

A operação teve inicio após o assalto a uma agência bancária na cidade de Borrazópolis quando dezenas de pessoas foram feitas reféns, numa modalidade criminosa conhecida como cangaço, até então inédita no Paraná, a partir daí, policiais civis e do Serviço Reservado do 5º Batalhão de Polícia Militar iniciaram a investigação e concluíram que esta quadrilha efetuou 22 roubos a banco.

A operação reuniu mais de 200 policiais militares e civis das mais diferentes unidades de segurança como Cope (Centro de Operações Policiais Especiais), Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), Rotam (Rondas Ostensivas Tático Movél), BPMOA (Batalhão de Polícia), Choque e Denarc (Divisão Estadual de Narcóticos), policiais civis das subdivisões de Londrina, Apucarana e da Delegacia de Ortigueira, policiais militares do 5° Batalhão de Polícia.

A ação foi batizada como “Cangaço” numa alusão ao período de banditismo brasileiro ocorrido no Nordeste do Brasil — na época liderado por Lampião. Mas, ao invés de andar pelas cidades em busca de justiça e vingança, as organizações criminosas hoje chegam às cidades e cometem crimes como roubo a banco.

Texto e foto: Ascom SESP-PR

Compartilhe: