Prevenção para as doenças da gengiva


A correta limpeza dos dentes é o meio mais eficiente disponível para a prevenção da gengivite, periodontite e cáries. A remoção regular do biofilme, também conhecido como placa bacteriana, supra e subgengival pode ser considerado o principal fator na prevenção e tratamento da gengivite e da periodontite.

O Biofilme dental se forma na superfície dos dentes pelo acúmulo das bactérias. Essas bactérias estão presentes naturalmente na cavidade bucal, mas podem aumentar se a higiene não for realizada adequadamente.

Inicialmente esta película assume uma consistência mole e, se não for removida nesta fase, vai se mineralizar, tornando-se dura (designando-se de tártaro ou cálculo). Para remover o tártaro é necessário um conjunto de procedimentos clínicos, executados somente pelo cirurgião dentista.

As alterações mais freqüentes em termos das doenças gengivais são: gengivite (inflamação na gengiva) e periodontite (perda de suporte ósseo dos dentes). As doenças periodontais, que são mais graves, são consideradas infecções nas estruturas de suporte dos dentes (osso, ligamento periodontal e gengiva) causadas por bactérias presentes na placa, e sua evolução pode provocar a perda dental.

Alguns pacientes quando chegam à clínica buscando tratamento para seu problema gengival pedem para prescrever algum medicamento para a doença. Mas por mais estranho que pareça, a escova dental e o fio dental são o tratamento mais efetivo na prevenção da doença gengival, salvo alguns casos que é necessário o uso de antibióticos.

Obviamente, quando a doença já se instalou, temos que atuar com procedimentos que vão além da prevenção. Pode ser indicado raspagens sub e supragengival, e as vezes pode ser necessário cirurgias.

Outra dúvida bastante frequente por parte dos pacientes é sobre a escova dental. Procuram por uma escova “magica” que seja eficiente contra as doenças da cavidade oral. Infelizmente, não há uma escova ideal que possa ser indicada para todas as pessoas, porque há muitas variáveis.

Apesar da diversidade de modelos de escova, ela deve ser funcional e eficiente na remoção do biofilme dental sem causar danos aos tecidos gengivais e sem provocar ranhuras na superfície dental. Quanto a durabilidade de uma escova, depende da qualidade do material que é fabricada e da maneira como é utilizada pelos pacientes.

De modo geral, a prevenção continua sendo a melhor opção para os cuidados coma saúde oral; além de visitas regulares para profilaxia, avaliação e acompanhamento da doença gengival.

Colaboração: Dr. Wagner Destéfano

Cirurgião Dentista – CRO 10637

Compartilhe: