PR adere ao Pacto Integrador de Segurança Pública

pacto

O chefe de gabinete da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Roberto Milaneze, na representação do secretário Wagner Mesquita, assinou o Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual, na semana passada. A assinatura ocorreu durante reunião do Colégio Nacional dos Secretários de Segurança Pública (Consesp), em Goiânia (GO).

A intenção do documento é promover articulações de ações e estratégias integradas e compartilhadas, em nível operacional e de inteligência na prevenção e enfrentamento à criminalidade, das diversas forças policiais, entre os estados brasileiros. “A ideia vem ao encontro das ações desenvolvidas e defendidas pelo Paraná, com troca de informações entre as diversas instituições policiais e órgãos de fiscalização para resultados mais ágeis e qualificados”, aponta o chefe de Gabinete da Sesp.

Um dos focos neste primeiro momento é combater, de forma conjunta, crimes como furtos e roubos a agências bancárias e tráfico de drogas, que afetam todos os estados. “A integração tem como objetivo de preservar as divisas, de combate integrado ao crime organizado – de maneira especial em eventos relacionados aos furtos e roubos a instituições financeiras, ao crime de tráfico de drogas, ao crime de roubo, de furto de cargas, ao combate ao contrabando de armamentos”, apresenta o presidente do Pacto Integrador, que é o vice-governador de Goiás e secretário da Segurança Pública em exercício naquele estado, José Eliton de Figueiredo Júnior.

“O estado do Paraná é um dos mais importantes do Brasil e, ao tomar a decisão de integrar o Pacto, fortalece o projeto e consegue fazer com que nós tenhamos uma condição de harmonização das informações”, acrescenta ele.

De acordo com José Eliton, essa estratégia vai ajudar a construir uma análise mais sólida de um cenário entre os estados e a fazer as definições das intervenções policiais adequadas ao combate do crime organizado. “É muito importante que o estado que tem a capacidade estratégica de avançar no combate a criminalidade integre o Pacto Integrador, na medida em que todos nós temos muito a compartilhar e avançar, não só nas informações, mas nas experiências, na expertise que cada estado detém para que juntos possamos combater o crime”, defende.

DIRETRIZES – O Pacto Integrador abrange seis diretrizes: estratégicas (definição de indicadores); operacionais (operações integradas); de inteligência, tecnologia (como o compartilhamento de softwares e constituição de um banco de dados para análise criminal interestadual); análise criminal e ações sociais (como a detecção de fatores sociais que contribuem para o aumento da criminalidade, além do apoio nas ações preventivas no envolvimento de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade).

Texto: SESP-PR

Compartilhe: