PARA QUE SERVE O DINHEIRO MESMO?

Hoje encontrei com um amigo e ao vê-lo me surpreendeu a sua juventude, apesar do passar dos anos. Seus cabelos estavam brancos, raspados juntos ao couro cabeludo, como se não fossem mais necessários para sua aparência. Quando eu era adolescente ele já era um homem casado. Muito simpático, nem vou revelar sua identidade, porque talvez ele não apreciasse o gesto de aqui ver estampado o seu nome. Mas ele me cumprimentou alegremente, e eu disse a ele que o segredo de sua jovialidade talvez fosse o fato de embora ser viúvo, continuar namorando, de caminhar muito, ter um bom carro e de ter muito dinheiro. Bem humorado ele me respondeu que caminhar faz muito bem à saúde, namorar revela nossas esperanças diante da vida, mas para que vale o dinheiro? Agora que ele tem um bom carro, o médico determinou que ele não deixasse de andar a pé e para que serve o dinheiro agora que ele tem 86 anos!

Foi uma forma engraçada de dizer que se sente envelhecido, mas dizem que é nos velhos vinhos que se encontram os melhores sabores. Por que não podemos ser felizes na velhice? Como sempre o homem trás dentro de si os rancores do passado; uma das primeiras medidas para ser feliz seria evocar do passado somente os momentos de prazer e esquecer que o tempo passa, deixar para trás a melancolia.

O melhor momento de um homem é o viver hoje. Hoje quero ser feliz, hoje quero estar com as pessoas que amo, hoje quero me espalhar no sofá e assistir os programas que gosto, hoje eu quero ler aquele bom livro, hoje quero fazer aquela comidinha que me alerta o paladar. Hoje, somente hoje, vou ligar para aquela amiga que sei que está na solidão. Hoje vou perdoar aquela fulaninha teratológica que me incomodou no passado. Hoje vou oferecer a minha solidariedade para aquela senhora doente, que espera por uma palavra de esperança. Hoje, exatamente hoje, é o melhor momento para eu estar comigo mesmo e não ficar me policiando em razão dos que os outros pensam.

O que vai acontecer amanhã importa para os executivos que vivem unicamente das flutuações da bolsa de valores. Temos uma enorme bolsa de valores dentro de nós mesmos. Guardar rancor e lamentar-se do passado é a maneira mais eficaz para se ter um infarto, a pressão subir e acabar-se numa cama de hospital. E daí para serve o dinheiro? Para pagar a conta do hospital se não se tem um plano de saúde. Para que serve o dinheiro se não se pode viajar e fazer longas ausências em outros climas e em outras terras distantes, ver novas paisagens? Para serve o dinheiro se não se pode mais navegar em águas turbulentas, nesta grande aventura de viver? Para que serve o dinheiro se ele não foi capaz de salvar a vida daquela pessoa querida?

Precisamos, sim, de uma revolução na alma para nos encontrarmos consigo mesmos. A Bíblia é pura sabedoria quando adverte de que “se você não se conhece, seguirá o caminho do rebanho”. Eu sou feliz hoje, porque quero ser feliz. Não desejo nunca seguir o caminho do rebanho, onde a identidade pessoal se perde nas comparações com falsos valores. O dinheiro não serve para adquirir a felicidade que desejamos ter. Conhece-te a ti mesmo (máxima de Sócrates) e teus desejos materiais serão todos fúteis e desnecessários.

Compartilhe: