Nishimori participa do encontro do G20 no Japão

 

Nesta sexta-feira (28), o deputado federal Luiz Nishimori (PL-PR) participou de uma série de reuniões em Osaka no Japão, junto com o presidente Jair Bolsonaro.A comitiva brasileira está no país para participar do G20, encontro dos 20 países mais ricos que será realizado até o dia 29.

Durante o dia a comitiva se reuniu com o presidente do Banco Mundial, David Malpass, e com o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), José Ángel Gurría Treviño, o presidente, Jair Bolsonaro recebeu também uma homenagem da Câmara de Comercio Brasileira no Japão e recebeu o prêmio SAKURA AWARDS 2019, em agradecimento ao apoio do presidente aos brasileiros que vivem no Japão.

Bolsonaro presidiu a reunião informal dos líderes do BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, participaram do encontro o presidente da China Xi Jinping, o presidente da Rússia Vladimir Putin, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa. Bolsonaro criticou o protecionismo econômico, “A persistência de correntes protecionistas e de práticas econômicas desleais é fonte de tensões comerciais e põe em risco a estabilidade das regras internacionais de comércio”.

Durante as reuniões informais o presidente conversou com o presidente da França, Emmanuel Macron, o convidou para conhecer a Amazônia e reafirmou o compromisso com o Acordo de Paris para o clima.

A comitiva brasileira também se reuniu com o presidente dos Estados Unidos Donald Trump, segundo Nishimori a conversa foi muito amistosa e produtiva, “Melhor impossível, um encontro muito positivo, estamos trabalhando por uma relação bilateral de resultados concretos, e este ano já demos o primeiro passo incluímos a isenção de visto para turistas Norte Americanos, o que contribui de forma significativa com nossa economia, gerando emprego e renda para o setor de turismo e hotelaria. Tivemos a assinatura do Acordo de Salvaguardas de Alcântara, o apoio formal para a entrada do Brasil na OCDE e para ser aliado extra OTAN”.

Compartilhe: