Interior do Paraná ganha reforço na Polícia Civil

delegacia02A Polícia Civil do Paraná ganhou uma boa notícia ontem (14), um dia após a paralisação estadual da categoria. O governador Beto Richa anunciou a contratação de 75 delegados, 413 investigadores e 48 papiloscopistas (especialista em identificação de pessoas). A apresentação dos novos policiais deve acontecer na próxima quarta-feira (21). Também foi anunciado ontem o aumento de 3 mil tornozeleiras para monitoramento de detentos e a transferência 1,2 mil presos das delegacias de Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba. Em função disso, ficou decidido em assembleia realizada ontem pelo Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol), em Curitiba, que não haverá greve dos policiais civis no Paraná.

Com os novos contratados, todas as comarcas paranaenses terão delegados e haverá reforço nas delegacias das principais cidades do interior. Cianorte vive a expectativa de receber alguns desses novos policiais civis. E também aguarda a chegada de 56 policiais militares que passam por treinamento em Maringá e devem chegar em Cianorte em agosto.

A determinação de transferência de presos foi resultado de uma reunião realizada em Curitiba na última segunda-feira entre as secretarias de Segurança Pública e da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos.

MORTE – O motivo da greve estadual realizada na última terça-feira (13) foi a morte de um agente policial no último domingo (11) durante uma fuga de presos em Colombo. O Sinclapol pede melhores condições de trabalho aos policiais. A estimativa do sindicato é que seria preciso a remoção de aproximadamente 10 mil presos das cadeias do Paraná.

O Sinclapol alerta que o Paraná seria o estado com maior população carcerária do Brasil, com quase 30 mil detentos, sendo que em torno de 11 mil estariam em condições sub-humanas. O que causaria tantas rebeliões, fugas e deixaria a vida dos policiais em risco.

CIANORTE – A greve realizada pela Polícia Civil hoje em todo o Paraná na última terça-feira (13) não teve efeito em Cianorte. A cadeia cianortense conta com 144 detentos, sendo que a capacidade é para 46. “O nosso maior problema em Cianorte é cuidar da carceragem”, comentou o delegado da Polícia Civil, Nilson Rodrigues (foto abaixo). “Precisamos transportar e fazer escolta de presos. Esses policiais poderiam estar em alguma investigação, que é a nossa finalidade”.

Rodrigues disse que é comum casos de policiais levar presos para hospital, dentista, Pronto Atendimento médico e para audiência no Fórum. E que, em alguns casos, a espera pelo preso ser liberado do atendimento passaria de duas horas.

Texto: Andye Iore com informações do Sinclapol e da AE-PR / Fotos: Andye Iore

nilson rodrigues06

Compartilhe: