Indústrias do PR conhecem oportunidades com Argentina

logo-economiaIndústrias paranaenses conheceram, na semana passada, o panorama para realização de negócios na Argentina. Durante seminário realizado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), por meio de seu Centro Internacional de Negócios (CIN-PR), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), foram apresentadas informações sobre oportunidades comerciais para produtos do Estado e também aspectos legais para empresas que querem atuar no país vizinho.

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, que participou da abertura do seminário, destacou que o evento está totalmente alinhado com a estratégia da entidade de promover a internacionalização da indústria paranaense. “Independente do momento que o Brasil atravessa, o setor produtivo está cuidando do futuro de seus negócios. É importante que as empresas estejam preparadas para buscar outros mercados, e a Argentina é o melhor mercado para o Paraná”, disse. “Por isso, é muito importante estarmos dialogando”, completou.

Durante o seminário, representantes de órgãos governamentais e empresas argentinas apresentaram detalhes sobre perspectivas econômicas do país, além de aspectos legais, logísticos e aduaneiros. O cônsul da Argentina no Paraná, Pedro Marotta, afirmou que a troca de informações é fundamental para a aproximação dos dois países. “Estamos nos redescobrindo e nossa parceria é inevitável. Você pode escolher muitas coisas, mas não pode escolher seus vizinhos, então é melhor se dar bem com eles”, brincou. “Não se trata apenas de trocar mercadorias, mas também buscar parcerias para que possamos superar dificuldades comuns e alcançar em conjunto os mercados externos”, acrescentou.

No evento, o analista de inteligência de mercado da Apex-Brasil, Adriano de Azevedo, apresentou ainda um panorama das relações comerciais entre Argentina e Paraná, que é o segundo estado brasileiro que mais exporta ao país. Em 2016, as vendas de produtos paranaenses à Argentina totalizaram US$ 1,5 bilhão, o que corresponde a 11,5% das exportações brasileiras ao país. Os setores que mais contribuíram para esse resultado foram o automotivo e o de papel e celulose.

Além desses, Azevedo apontou outros segmentos que têm potencial para ampliar as vendas para a Argentina. Entre eles estão principalmente os ligados ao setor agrícola, como tratores e equipamentos, farinha para animais, couros e carne suína. Para o analista, o momento é favorável para investimentos no mercado argentino. “A Argentina está em uma curva ascendente, é o que as bases de dados internacionais nos falam”, declarou.

ASC FIEP

Compartilhe: