Hipersensibilidade Dentinária: Causas E Tratamento (PARTE I)

 

Não há nada mais desagradável do que tomar um sorvete ou um suco gelado e ter como resposta uma sintomatologia dolorosa, não é mesmo? É frequente e comum na prática clínica, pacientes se queixarem de sensibilidade em seus dentes. Essa condição é considerada comum, e sua extensão e prevalência aumentam com a idade. Diversos fatores, incluindo trauma de escovação e doença periodontal, desempenham algum papel na causa desse problema.

A hipersensibilidade dentinária é definida como dor advinda por uma dentina exposta, geralmente a estímulos térmicos, químicos ou tácteis. Vários fatores podem favorecer o aparecimento dessa hipersensibilidade, incluindo a erosão e abrasão, que nada mais é do que um desgaste causado na região mais próxima da gengiva dos dentes e que é causado principalmente por uma alimentação frequente de ácidos como limão e outras frutas cítricas, refrigerantes, etc, e por uma escovação inadequada com força excessiva e/ou uso de escovas de cerdas médias ou duras que retraem a gengiva, expondo as raízes dos dentes.

Muitas pessoas possuem recessão gengival sem saber dessa condição, e sem sintomas presentes. Entretanto, muitos pacientes apresentam cáries ou sensibilidade da raiz que foi exposta, além da desvantagem estética, que em alguns casos é a principal queixa apresentada. Para ambos os casos, a odontologia atual lança mão de diversos tratamentos, cada um indicado e planejado individualmente de acordo com a necessidade de cada paciente.

Alguns, apenas focados na prevenção da progressão, que impeça os hábitos que foram causadores do problema, outros, em sessões de dessensibilização realizadas pelo dentista no consultório. O tratamento que inclui restaurações das regiões dos dentes em questão também são indicadas para alguns casos. Outra alternativa de tratamento, é o recobrimento dos dentes que possuem recessão de gengiva, através de uma técnica cirúrgica que inclui a realização de um enxerto de tecido sobre a região afetada, e que consegue devolver tanto a estética que foi perdida como a resolução da hipersensibilidade que foi gerada.

Agora com a queda da temperatura, a sensibilidade aumenta, por isso, faça uma avaliação e veja qual a melhor opção para o seu caso, afinal, a prevenção continua sendo o melhor remédio. (Por: Dra. Hellen Castelini)

 

 

 

Compartilhe: