Governo do Paraná estimula produção de energias renováveis

No Estado do Paraná está em funcionamento desde janeiro de 1999 a Usina Eólica de Palmas, com 2,5 MW, de propriedade da COPEL. OParaná foi pioneiro nesse segmento ao investir na instalação da primeira usina eólica. Foi no município de Palmas, Sul do Estado, em 1999, com potência de 2,5 megawatts. A usina foi resultado de um trabalho minucioso – o Projeto Ventar – iniciado pela Copel em 1994. - Palmas/PR, 13.05.2011 - Foto Jonas Oliveira

Governador Beto Richa assinou decreto transferindo para a Secretaria de Estado de Planejamento a coordenação do Programa Paranaense de Energias Renováveis. Nova coordenação quer trabalhar com segmentos de pesquisa, universidades, setor produtivo para ampliar as ações do programa

O governador Beto Richa assinou nesta quarta-feira (24) decreto que estabelece a Secretaria de Estado do Planejamento como coordenadora do Programa Paranaense de Energias Renováveis. O programa promove e incentiva a produção e o consumo de energias renováveis, principalmente eólica, solar e biomassa.

Vamos unir as forças do Paraná na área de pesquisa, universidades, setor produtivo e empresarial para trabalhar no incentivo à produção de energia renovável”, disse o secretário de Planejamento, Juraci Barbosa. Ele explicou que um dos principais temas a ser tratado é o uso de dejetos animais, a exemplo de suíno e bovino, para a geração de energia.

APROVEITAMENTO

O Estado tem o maior rebanho de suínos do País, com 7,13 milhões de cabeças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Precisamos dar um fim para os resíduos produzidos pelos animais e um dos destinos poderia ser a energia renovável”, disse Barbosa.

Em setembro de 2017, o secretário participou de uma comitiva, organizada pelo Sistema Faep/Senar-PR, que visitou Itália, Alemanha e Áustria, países onde a energia renovável é uma realidade. “Conheci vários sistemas adotados e isso contribuirá para criarmos um novo modelo para o Estado, que tem grande potencial”, complementou ele.

AÇÕES

O Governo do Paraná tem outros projetos voltados à produção de energia renovável, todos alinhados com a política energética nacional, que prevê redução da participação da hidroeletricidade de 81% para 73% até 2020 e a ampliação da geração de energia proveniente de biomassa de 5% para 10% e da energia eólica de 0,4% para 4%.

A Fomento Paraná e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) oferecem linhas de financiamento para empreendimentos de geração, transporte, transmissão e consumo de energia elétrica. Já a Copel criou a Coordenação de Energias Renováveis, focada no desenvolvimento de um modelo de geração de energia renovável não agressiva ao patrimônio natural do Estado.

Outro projeto é o Smart Energy Paraná, feito pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O programa busca a adequação da rede de energia elétrica convencional em rede inteligente e a disseminação da geração distribuída por fontes de energias renováveis.

AEN/PR

Compartilhe: