Fiéis participam de Caminhada Eucarística em Cianorte

 

Com muito louvor e adoração, centenas de fiéis seguiram por doze quilômetro, do Santuário Eucarístico Diocesano até a Capela Nossa Senhora Aparecida no distrito Vidigal

Com muito louvor e adoração, centenas de fiéis seguiram por doze quilômetro, do Santuário Eucarístico Diocesano até a Capela Nossa Senhora Aparecida no distrito Vidigal

Devotos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida se reuniram por volta das 05:30 horas em frente ao Santuário Eucarístico Nossa Senhora de Fátima para a 6ª Caminhada Eucarística. Com muito louvor e adoração, centenas de fiéis seguiram por doze quilômetro até a Capela Nossa Senhora Aparecida no distrito Vidigal.

Além dos fiéis que foram caminhando, por mais de três horas até o distrito, também houve uma carreata pelas ruas e avenidas da cidade em direção a Vidigal com a imagem de Nossa Senhora que seguiu em um barco com pescadores, relembrando como a Santa foi encontrada há 299 anos.

Durante os doze quilômetros, o trajeto foi marcado por orações e devoção à Nossa Senhora, por quem os católicos têm grande apreço devido ao papel de mãe de Jesus Cristo. Para garantir a segurança dos romeiros, a Polícia Militar fez o cuidado do trânsito.

A carreata e a caminhada foram encerradas com a Santa Missa realizada no Ginásio ao lado da Igreja com os fiéis agradecendo as graças concedidas por Nossa Senhora. “A gente é sempre devota a Nossa Senhora, pois ela é nossa intercessora e é ela que nos leva até Jesus.”, ressalta a dona de casa Maria Rosa Bacarin.

HISTÓRIA

A aparição da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida ocorreu em outubro de 1717, quando Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos, conde de Assumar e governante da capitania de São Paulo e Minas de Ouro, estava de passagem pela cidade de Guaratinguetá, no vale do Paraíba, durante uma viagem até Vila Rica.

O povo de Guaratinguetá decidiu fazer uma festa em homenagem à presença de Dom Pedro de Almeida e, apesar de não ser temporada de pesca, os pescadores lançaram seus barcos no Rio Paraíba com a intenção de oferecerem peixes ao conde.

Os pescadores Domingos Garcia, João Alves e Filipe Pedroso rezaram para a Virgem Maria e pediram a ajuda de Deus. Após várias tentativas infrutíferas, desceram o curso do rio até chegarem ao Porto Itaguaçu. Eles já estavam a desistir da pescaria quando João Alves jogou sua rede novamente e em vez de peixes, apanhou o corpo de uma imagem da Virgem Maria, sem a cabeça. Ao lançar a rede novamente, apanhou a cabeça da imagem, que foi envolvida em um lenço.

Após terem recuperado as duas partes da imagem, a figura da Virgem Aparecida teria ficado tão pesada que eles não conseguiam mais movê-la. A partir daquele momento, os três pescadores apanharam tantos peixes que se viram forçados a retornar ao porto, uma vez que o volume da pesca ameaçava afundar as embarcações, sendo que esta foi a primeira intercessão atribuída à santa.

 

Texto: Juliano Secolo / Foto: Anderson Theodoro

Compartilhe: