Estado homenageia mulheres que promovem a igualdade racial

Governador Beto Richa e a secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, participam de homenagem às Mulheres Afrodescendentes no Dia da Consciência Negra. O evento também contou com a participação do secretário da Cultura, João Luiz Fiani e demais autoridades. Curitiba, 20/11/2017. Foto: Orlando Kissner/ANPr

Governador Beto Richa e a secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, participam de homenagem às Mulheres Afrodescendentes no Dia da Consciência Negra. O evento também contou com a participação do secretário da Cultura, João Luiz Fiani e demais autoridades.
Curitiba, 20/11/2017.
Foto: Orlando Kissner/ANPr

O Governo do Paraná homenageou nesta segunda-feira, 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, dez mulheres que se destacam pelo compromisso com a promoção da igualdade racial e pelas ações de valorização da população negra. Elas receberam do governador Beto Richa o “Diploma de Personalidade Afro-Paranaense”.

A solenidade, no Salão Nobre do Palácio Iguaçu, fez parte das ações do Mês da Consciência Negra, realizadas pela Secretaria de Estado da Cultura, com o objetivo principal de resgatar, valorizar e divulgar a cultura afro-paranaense.

“É uma merecida homenagem prestada por todos os paranaenses, que reconhecem a importância dos afrodescendentes para o desenvolvimento do nosso Estado”, afirmou o governador. “Vários atos estão sendo realizados ao longo deste mês em comemoração ao Dia da Consciência Negra, culminando nesta homenagem às mulheres afro-paranenses, que dão sua grande contribuição, em todas as áreas da sociedade e da economia”, ressaltou.

Foram homenageadas Ana Maria Santos da Cruz (Comunidades Quilombolas), Clemilda Santiago Neto (História), Clemildes Ferreira Bahr (Cultura Popular), Dalzira Maria Aparecida (Religião de Matriz Africana), Dora Lucia de Lima Bertulio (Direito), Dulcinéia Novaes (Comunicação), Edna Aparecida Coqueiro (Educação), Geisa Costa (Artes), Michelle Mara (Juventude) e Nará Souza Oliveira (Educação).

Conheça mais do trabalho das homenageadas,  AQUI.

Richa destacou a importância da data para refletir sobre a questão racial e combater o preconceito. “O principal objetivo das comemorações, atos e solenidades que acontecem neste mês é, justamente, evitar a intolerância, o preconceito e a discriminação racial. É preciso buscar a convivência harmônica, reconhecer a importância do nosso semelhante, no caso, os negros que dão grandiosa contribuição ao Brasil e ao Paraná”, afirmou.

MOMENTO HISTÓRICO – A escolha dos nomes das homenageadas foi da Secretaria da Cultura e do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Consepir), com a participação da Rede de Mulheres Negras do Paraná. “É um momento histórico em que o Governo do Paraná faz o reconhecimento a mulheres importantes, guerreiras afro-paranaenses, que constroem um estado melhor e mais justo”, disse o secretário da Cultura, João Luiz Fiani.

RECONHECIMENTO – A presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial do Paraná, Edna Aparecida Coqueiro, destacou a importância do reconhecimento das mulheres negras. Ela, que é também coordenadora no departamento de Diversidade da Secretaria de Estado da Educação, foi homenageada como destaque na Educação. “O 20 de novembro é um marco na luta por uma sociedade melhor, uma referência à cultura afro-brasileira e africana e um chamamento para que toda a sociedade reflita e contribua com o combate ao racismo”, ressaltou.

“Faltava no Paraná este tipo de reconhecimento, de que a comunidade negra e os afrodescendentes precisam ser protagonistas de nossa história”, disse a jornalista Dulcinéia Novaes. “É preciso que a contribuição dos afrodescendentes na história do Brasil e do Paraná tenha esta visibilidade”, afirmou.

Advogada e procuradora da Universidade Federal do Paraná, Dora Lucia de Lima Bertulio, afirmou que importância da reflexão sobre a contribuição da população negra. “Esta homenagem tem o valor simbólico de fazer com que as pessoas percebam o mal que o racismo faz à sociedade e voltem a discutir a questão racial”, afirmou. “O Dia da Consciência Negra tem que ser mais celebrado. Espero que eventos como este contribuam para diminuir o racismo, superar os comportamentos racistas e para ter informação sobre como mudar esses comportamentos.”

Compartilhe: