Endividamento segue estável no Paraná


A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), mostra que o percentual de famílias endividadas no Paraná ficou em 89,4% em setembro, praticamente o mesmo percentual observado em agosto (89,1%). Em relação a setembro do ano passado, a parcela de famílias com dívidas também se manteve estável (89,6%).

Síntese dos resultados (% em relação ao total de famílias)
Mês Paraná Nacional
Total de Endividados Com contas em atraso Sem condições de pagar Total de Endividados Com contas em atraso Sem condições de pagar
Setembro de 2017 89,6% 27,8% 9,7% 61,7% 26,5% 10,9%
Agosto de 2018 89,1% 29,5% 10,9% 60,7% 23,8% 9,8%
Setembro de 2018 89,4% 27,5% 11,3% 60,7% 23,8% 9,9%

O percentual de famílias com contas em atraso baixou de 29,5% em agosto para 27,5% em setembro e o Paraná figura na 12ª posição nacional neste aspecto.

A média nacional de endividamento ficou em 60,7% em setembro. Ainda que o Paraná figure entre os estados com maior número de endividados do país, isso se deve justamente à segurança no mercado laboral e à situação econômica do estado. No mês de agosto, foram gerados mais de 10 mil novos postos de trabalho Paraná, o que corresponde a 9% das admissões do país, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A certeza de um salário ou renda no fim do mês motiva o consumidor a comprar mais, principalmente de forma parcelada. Assim, muitas das situações descritas como endividamento dizem respeito a compras a prazo, tanto que o tempo médio de endividamento dos paranaenses é de 6,6 meses.

ENDIVIDAMENTO E RENDA

A proporção de endividados é bastante parecida entre as faixas de renda analisadas. Entre as famílias com rendimentos até dez salários mínimos, 89,2% possuem algum tipo de dívida, enquanto nas famílias com renda superior a esse patamar o endividamento atinge 90,6%.

O atraso no pagamento é mais pronunciado entre aqueles que ganham menos. Nas famílias com renda até dez salários mínimos, 29,8% possuem dívidas atrasadas. Já nas famílias com renda acima de dez salários mínimos, o atraso no pagamento é relatado por 16,5%. Da mesma forma, a falta de condição para pagamento das dívidas em atraso é maior entre as famílias com rendimentos até dez salários mínimos (13,1%), pela própria limitação da renda. Nas famílias com renda acima de dez salários mínimos, esse percentual é de apenas 4,7%.

Tipo de dívida Total Até 10 salários mínimos Mais de 10 salários mínimos
Cartão de crédito 70,0% 69,6% 72,1%
Cheque especial 0,4% 0,5% 0,0%
Cheque pré-datado 0,1% 0,1% 0,0%
Crédito consignado 1,9% 1,7% 2,6%
Crédito pessoal 3,3% 3,6% 1,9%
Carnês 3,1% 3,2% 2,6%
Financiamento de carro 10,1% 10,6% 7,8%
Financiamento de casa 10,5% 9,8% 13,6%
Outras dívidas 1,1% 1,3% 0,0%

TIPOS DE DÍVIDA

O cartão de crédito continua como o principal motivo de endividamento dos consumidores paranaenses, com 70% de utilização no mês de setembro. Verifica-se, no entanto, uma redução na comparação com o mês de agosto, quando o cartão de crédito foi mencionado por 74,3% dos endividados. Em seguida ficou o crédito imobiliário, com 10,5%. Esse percentual era de 8,3% em agosto. O financiamento de veículo correspondia a 10,1% das dívidas em setembro. Em agosto era 9,2%.

Fonte: Karla Santin – Assessoria de Imprensa do Sistema Fecomércio Paraná

Compartilhe: