EFICIÊNCIA E MAIOR RAPIDEZ NO TRATAMENTO ORTODÔNTICO COM APARELHO AUTOLIGADO

Os aparelhos autoligados tem sido apresentado como um diferencial na ortodontia, que procura oferecer um tratamento com menor tempo de trabalho e um tratamento menos doloroso se comparado com os aparelhos convencionais, trazendo assim mais conforto ao paciente. Os aparelhos autoligados foram criados com o intuito de ser um sistema com menor atrito, o que pode proporcionar uma mecânica de deslizamento e alinhamento mais eficiente, tornando o movimento dentário mais rápido.

Portanto, a seleção do aparelho e dos fios pode determinar a rapidez com que o dente irá se mover. Os bráquetes autoligados foram introduzidos para criar um sistema com menos atrito, proporcionando uma mecânica de deslizamento e alinhamento mais eficientes, tornando o movimento dentário mais rápido, proporcionando redução no tempo de tratamento.

Uma pergunta frequente dos pacientes em tratamento, é quando nós iremos concluir o caso. Por melhor que seja o aparelho, os fios e a técnica empregada, lidamos com os obstáculos biológicos e anatômicos do paciente que afetam a eficiência da movimentação dos dentes e, consequentemente, a variação pode ser grande.

A classificação dos braquetes autoligados divide-se em três tipos, de acordo com o grau de pressão do sistema aplicado ao fio. Eles podem ser ativos, quando o sistema pressiona o fio dentro da canaleta; passivos, quando o sistema permite liberdade do fio na canaleta; ou interativos, quando os braquetes autoligados exercem pressão em fios mais espessos, mas permitem liberdade de fios menos calibrosos.

Podemos perceber também que com os braquetes autoligados os pacientes apresentam menores índices de placa bacteriana do que aqueles que recebem braquetes convencionais, isso se deve a ausência dos elásticos ou amarrilhos para amarrar o fio.

De certa forma, a grande diferença apresentada por aparelhos autoligados no que diz respeito ao menor tempo de tratamento, menor número de visitas e menor desconforto ao paciente está ligada ao uso de fios de última geração, como os fios de Copper Niti. Esses arcos representam uma nova geração de arcos superelásticos com alta memória. Existem três diferentes arcos de Cooper NiTi com temperaturas de transformação precisas e consistentes: 27ºC, 35ºC, e 40ºC., além dos diversos calibres.

Em síntese, a introdução dos bráquetes autoligados na Ortodontia constitui uma nova revolução no tratamento, uma vez que possibilitam a aplicação de forças suaves, mais compatíveis com a força ideal aceita, pela redução significativa do atrito causado pelo contato do fio com o bráquete. Além disso, favorecem a simplificação do tratamento e o aproveitamento pleno de todas as vantagens que esses aparelhos oferecem que refletem em menor tempo de tratamento.

Colaboração: Dr. Wagner Destéfano

Cirurgião Dentista – CRO 10637

Compartilhe: