Congresso Médico de Maringá debate a medicina do futuro


Com a proposta de debater como as últimas novidades tecnológicas podem ser aplicadas à Medicina atual com bons resultados, começa nesta quinta-feira (11) o Congresso Médico de Maringá 2018 – A Medicina do Futuro, idealizado pelos acadêmicos de Medicina da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e realizado pelo Centro Acadêmico de Medicina (Camem).

O evento, que acontece até sábado em três auditórios do Hotel Nobile Suítes Maringá, conta com apoio dos Cursos de Medicina da Unicesumar e da Uningá, além do Departamento de Ciência e Tecnologia e Hospital Universitário Regional, e parceria do Maringá e Região Convention & Visitors Bureal, IFMSA e Revista Saúde.

Os patrocinadores são as empresas SVN Investimentos, Hospital Paraná, Grupo São Camilo, Purific, Santa Casa de Maringá e Unimed.

O Congresso Médico deste ano, que acontece junto com o Congresso do Hospital Universitário, comemora os 30 anos da instalação do Curso de Medicina da UEM e do início do funcionamento do Hospital Universitário.

Com mais de 30 palestras nos três dias, o evento vai discutir desde Inteligência Artificial, Nanotecnologia, o uso a Realidade Virtual e Estendida, construção de órgãos em impressora 3D, mas também a saúde mental dos estudantes e profissionais da saúde, a relação entre médico e paciente, segurança do paciente e a medicina humanitária e de catástrofe.

Uma das discussões que deverá chamar a atenção é sobre os movimentos antivacina, que hoje se espalham com facilidade e rapidez em tempos de proliferação de redes sociais.

Para a presidente da comissão organizadora do evento, doutora Elisabete Mitiko Kobayashi, titular da disciplina de Ortopedia e Traumatologia desde a primeira turma do Curso de Medicina da UEM, os debates que acontecerão deverão ter reflexo na qualidade da medicina oferecida por Maringá. Além da atualidade e importância dos temas, ela já considera um sucesso o fato de também alunos dos cursos de Medicina de outras instituições, como Unicesumar e Uningá, estarem envolvidos na organização. “Esta integração das escolas médicas em prol de um congresso médico é um motivo para comemoração”, diz.

Na expectativa da doutora Kobayashi, “o congresso trará temas também para outros profissionais da saúde, além de médicos, e temos certeza de que os reflexos serão os avanços que acontecerão na Medicina de Maringá”, diz a professora. “Há 30 anos a UEM vem formando profissionais de altíssimo nível, que acabam passando em residências em instituições consagradas, como a USP, Unifesp, Hospital Albert Einstein, e quando retornam trazem uma bagagem de qualidade que ajuda a melhorar a saúde em Maringá, inseridos em hospitais, clínicas, laboratórios”.

Para ela, a UEM e as outras escolas de Medicina estão preocupadas em formar grandes valores com um ensino de qualidade “e o congresso é uma grande oportunidade de mostrarmos isto, mostrando que em Maringá é praticada uma medicina avançada”.

ROBÔS E PÚBLICO RECORDE

Um dos pontos altos do congresso deverá ser a demonstração de Simulação Realística que será feita por professores que virão da Espanha. Eles utilizarão “simuladores de paciente”, que são robôs que respondem como um ser humano às ações praticadas, possibilitando que os treinamentos estejam o mais próximo da realidade, permitindo ao profissional praticar, corrigir falhas e resolver dúvidas de forma segura e eficiente. Atualmente, as escolas de Medicina ainda treinam em pacientes de verdade, o que já não acontece em boa parte da Europa e nos Estados Unidos. O Programa de Simulação que será apresentado pelos espanhóis também é utilizado para fins de estudo, avaliação e pesquisa em diversas modalidades.

Para os organizadores, a apresentação da Simulação Realística é importante neste momento em que o Unicesumar está instalando seu laboratório e a UEM deve iniciar o seu no ano que vem.

O Camem espera entre 400 e 600 pessoas participando do evento. Isto significa um recorde, já que o congresso anterior, cinco anos atrás, foi presenciado por pouco mais de 300 pessoas. “Esperamos profissionais de saúde de vários municípios, pois os temas propostos são de grande interesse”, diz a presidente da comissão organizadora.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Congresso Médico de Maringá

Compartilhe: