Clube de Fotografia de Cianorte realiza saída noturna

 

A igreja abandonada "Santa Rita" e a "Lagoa Seca", ambas localizados na zona rural do distrito de Vidigal, foram as atrações da saída fotográfica noturna

A igreja abandonada “Santa Rita” e a “Lagoa Seca”, ambas localizados na zona rural do distrito de Vidigal, foram as atrações da saída fotográfica noturna

Na última sexta-feira (7) o Clube de Fotografia de Cianorte promoveu uma atividade diferente para seus sócios: uma saída fotográfica à procura de paisagens noturnas. Dois pontos – que já haviam sido identificados durante o dia com grande potencial para fotos noturnas – foram as atrações da expedição: a igreja abandonada “Santa Rita” e a “Lagoa Seca”, ambos localizados na zona rural do distrito de Vidigal.

A atividade contou com a participação de oito pessoas, que em dois carros saíram do Santuário Eucarístico Diocesano e seguiram para Vidigal. Como de costume, antes da saída foram explicados os riscos e passadas orientações sobre roupas adequadas, uso de repelentes, proteções para as pernas, questões de segurança, entre outros.

O professor e fotógrafo Anderson Theodoro do Clube de Fotografia explica que a principio pode até parecer fácil fazer fotografias noturnas, mas não é. “A fotografia noturna exige com que o local tenha o mínimo possível de luz externa, exige uma boa área aberta, a ponto de podermos visualizar o céu, exigem equipamento adequado, e principalmente exige coragem, afinal de contas à noite nós enxergamos pouco mesmo com lanternas.” explica.

As saídas fotográficas tem como objetivo gerar oportunidade de se praticar a fotografia, o espírito de aventura e companheirismo. “Mais uma vez, é possível ver através das fotos produzidas pelo grupo, que o distrito de Vidigal é um lugar com grande potencial para o lazer e turismo, de repente o que falta é informação, mas nós do Clube de Fotografia queremos colaborar e já estamos planejando mais duas saídas, ambas para essa região. Queremos divulgar e valorizar cada vez mais essa pontinha de Cianorte tão bela e pouco conhecida.”, destaca Anderson.

Texto: Juliano Secolo / Foto: Anderson Theodoro

Compartilhe: