Cida repassa R$ 52,5 milhões para UEM concluir 14 obras paradas

A governadora Cida Borghetti liberou nesta sexta-feira (30) R$ 52,5 milhões do Governo do Estado para a Universidade Estadual de Maringá (UEM), na região Noroeste. São R$ 50 milhões para a conclusão de 14 obras paralisadas em Maringá e nos câmpus de Cianorte e Goiorê, algumas delas iniciadas há 10 anos.

Os outros R$ 2,5 milhões serão aplicados no acabamento de obras na nova ala do Hospital Universitário, que tem 100 leitos, e na clínica odontológica. Além disso, foi liberada uma cota extra de mais R$ 7 milhões em verbas de custeio para a UEM (R$ 4 milhões) e do HU (R$ 3 milhões).

O total de recurso é de quase R$ 60 milhões, a maior parte para a conclusão de obras paradas, entre as quais o centro de convenções que vai atender uma demanda muito grande, não só da universidade mas de outros setores”, disse a governadora Cida Borghetti.

A governadora enfatizou que essa ação do Governo do Estado se reflete em toda a região. “São obras esperadas há anos, que promoverão um salto em qualidade na estrutura da UEM, com impacto nos municípios dentro da área de abrangência da instituição”, afirmou Cida Borghetti no evento realizado na Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM).

RETOMADA

O secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Decio Sperandio, explicou que os recursos serão aplicados em obras iniciadas em 2008 e 2009 e que estavam totalmente paralisadas. “São blocos acadêmicos que atenderão as mais diversas áreas. Com esses recursos, as obras serão finalizadas”, disse ele.

Segundo o reitor da UEM, Júlio Damasceno, a conclusão das obras permitirá colocar os serviços prestados na estrutura à disposição da comunidade. “Além de blocos acadêmicos e administrativos, temos obras no Hospital Universitário, no centro cirúrgico e no bloco que abrigará a estrutura de apoio, como lavanderia e cozinha”, explicou.

O deputado Ricardo Barros destacou a conclusão do centro de convenções, lembrando que o espaço será muito útil para toda a comunidade de Maringá. “Trata-se de uma grande estrutura. Maringá tem o turismo de eventos muito forte e o espaço vai ampliar a capacidade em receber os eventos”, disse ele.

MARINGÁ

Entre as obras que receberão recursos estão previstas conclusão de novos blocos, prédios administrativos, centro de convenções, centro cirúrgico e bloco industrial do Hospital Universitário (HU). No campus de Maringá, os recursos serão usados para a conclusão de um bloco no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (B12) para alunos do curso de ciências contábeis; um no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (l24) para estudantes de história e ciências sociais; outro no Centro de Ciências Biológicas (l46) para os cursos de biologia e biomedicina; e, por fim, um no Centro de Tecnologia (C90), onde funcionam os cursos de engenharia de produção, engenharia elétrica, engenharia de alimentos e engenharia mecânica.

Os recursos ainda vão ser utilizados para a construção de um teatro com capacidade para 1000 lugares e um centro de eventos para 600 pessoas – que funcionarão em uma área de 4,6 mil metros quadrados – e novos blocos para os cursos de psicologia, diretoria de material e patrimônio. Obras de acessibilidade na instituição, a exemplo de banheiros e rampas, e a reforma do laboratório de análises clínicas também estão previstas.

HU

No hospital, serão finalizadas cinco salas cirúrgicas e de recuperação anestésica e uma central de materiais e esterilização no Centro Cirúrgico do Hospital Universitário (HU) da instituição de ensino. O local tem 3,1 mil metros quadrados. Além disso, o bloco industrial do HU, com refeitório, cozinha, lavanderia, almoxarifado e farmácia também será concluído.

CIANORTE E GOIOERÊ

No campus regional de Cianorte, que oferta quatro cursos, será feita a construção de um bloco para os alunos de design. Já em Goioerê, que também oferece quatro cursos, a instituição utilizará parte do repasse para a construção de uma biblioteca e um centro acadêmico.

UEM

Criada em 1970, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) está entre as 200 melhores universidades do Brics (Brasil, Rússia, Índia e China). No indicador de qualidade apurado pelo MEC, é a 2ª estadual do Paraná. É, também, a 7ª melhor universidade estadual do Brasil e a 27ª do País, entre 61 instituições avaliadas, públicas e particulares.

Em 2017, o número de docentes que estavam ativos era de 1.608, dos quais 1.187 doutores e 351 mestres. Atualmente, são ofertados 61 cursos de graduação presenciais, oito cursos de graduação a distância, 70 cursos de pós-graduação stricto sensu (44 em nível de mestrado e 26 de doutorado) e 56 cursos de pós-graduação lato sensu (especialização) em sete câmpus.

PRESENÇAS

Participaram da solenidade o secretários da Fazenda, José Luiz Bovo; os presidentes da Sanepar, Ricardo Soavinski; do Fundepar, José Roberto Ruiz; do Tecpar, Júlio Félix; do IAP, Luiz Carlos Manzato; da Acim, Michel Felipe Soares; e da Amusep, André Luiz Bovo; a comandante-geral da PM, coronel Audilene Dias Rocha; o chefe do Estado-maior da PM, Antonio Zanatta; os deputados estaduais Tiago Amaral e Jonas Guimarães.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

Compartilhe: