Capacitação sobre Atenção ao Autismo conta com metodologia e parceria internacional

A secretaria estadual da Saúde realizou nesta quarta-feira (01) a aula inaugural da estratégia de qualificação profissional no Programa de Atenção ao Autismo. Transmitido por videoconferência para as 22 Regionais de Saúde, o evento contou com a participação de 800 profissionais do Paraná, Maranhão, Minas Gerais e Santa Catarina, além de representantes do Scott Center for Autism Treatment, do Florida Institute of Technology, dos Estados Unidos.

O secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi, reforçou a importância do aprendizado constante das equipes e profissionais que trabalham com pessoas portadoras do transtorno do espectro autista. “É um momento extremamente produtivo, com ênfase em ações estratégicas sempre com foco no bem-estar e qualidade de vida da população”, declarou Nardi.

Lançado pelo Governo do Estado em 26 de junho, o programa foi implantado por meio de parceria entre a secretaria de Estado da Saúde e do Scott Center for Autism Treatment e tem como objetivo ampliar o apoio e suporte às pessoas portadoras e de autismo e seus familiares. Uma das ações é a capacitação de profissionais de saúde, pais e cuidadores, garantindo atendimento qualificado na Rede Pública de Saúde. Além disso, será realizado um censo para identificar e conhecer a realidade dos diagnosticados.

METODOLOGIA

Durante a aula inaugural, o psicólogo do Florida Institute of Technology, Michael Kelleey, apresentou os principais objetivos e módulos da capacitação. “Nosso compromisso é fazer com que os profissionais paranaenses sejam os mais instruídos e com a melhor força de trabalho para o atendimento de pessoas com autismo de qualquer país da América do Sul”, afirma Michael Kelleey.

CURSO

O curso terá carga horária de quarenta horas, sendo uma parte presencial e outra a distância. Os módulos serão divididos em três partes: serviço clínico, treinamento e pesquisa.Após o treinamento, os formandos poderão reconhecer os sintomas do autismo, avaliar habilidades e déficits existentes no indivíduo, coletar dados, representar graficamente e tomar decisões baseadas no progresso da intervenção. Além disso, Michael explica que o sistema é autossuficiente, onde os profissionais podem treinar outros colegas.

Vamos disponibilizar treinamento de última geração para qualquer pessoa que trabalhe na saúde. Nosso objetivo é ter uma força de trabalho bem treinada e de ponta para atender as pessoas com autismo. Também queremos que o Paraná torne-se referência no Brasil para atendimento clínico e treinamento”, finaliza Kelleey.

CADASTRO

A Secretaria da Saúde está fazendo o levantamento do número de pessoas com transtorno do espectro do autismo através de cadastro online. O objetivo é identificar e conhecer melhor a realidade dos diagnosticados. Até o momento, já foram contabilizados 197 cadastros no Estado.O documento pode ser acessado aqui (201.77.19.17/autismo/form_ficha_cadastro/). As informações serão usadas para nortear a elaboração de políticas públicas na área.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná / Imagem Ilustrativa

Compartilhe: