Câmpus de Cianorte forma 102 novos profissionais

formatura-marNuma solenidade festiva, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) realizou, na noite da última sexta-feira (10), mais uma cerimônia de colação de grau, com a entrega de diplomas a 102 estudantes que concluíram os cursos de graduação em Ciências Contábeis, Pedagogia, Design; e Moda no Câmpus Regional de Cianorte. Com isso, já são 66.451 o número de profissionais formados pela UEM.

Sob a animação musical do grupo Areia, o evento, realizado no ginásio de esportes da cidade, foi prestigiado por diversas autoridades. Além de professores, coordenadores de curso, diretores de centro, compareceram representantes da classe política, incluindo a secretária de Educação e Cultura de Cianorte, Maria Neusa Casassa; o ex-deputado estadual e atual presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Dirceu Manfrinato; e o prefeito de Tuneiras do Oeste, Taketoshi Sakurada.

O reitor Mauro Baesso, que presidiu a sessão solene, deixou a mesa de honra e, repetindo um gesto do paraninfo geral dos formandos, Jorge Cantos, em 2015, discursou diante dos graduandos utilizando um microfone sem fio. O reitor disse ter a certeza que a UEM transformou a vida dos que estavam ali para receber o diploma de conclusão de curso.

Para ele, a insegurança sobre o futuro profissional agora seria a demonstração de que os estudantes evoluíram, “porque têm a percepção de que ainda sabem muito pouco”. Aos que não forem atuar no mercado, Baesso disse que a UEM está de portas abertas para receber os interessados em fazer a pós-graduação.

Mais uma vez ele pediu aos formandos que não deixem o sucesso profissional ultrapassar os princípios da ética. Lembrou que o Brasil é um País muito injusto do ponto de vista social, pois de cada sete jovens, por exemplo, apenas um conclui o ensino superior. E dos que se formam, somente 20% estudam na universidade pública. Por isso, o reitor disse acreditar que os novos profissionais podem ajudar a reduzir esta injustiça.

PÚBLICA – Baesso defendeu a universidade pública, a começar pela UEM, que, insistiu ele, privilegia a formação docente, visando proporcionar aos estudantes uma formação cidadã. Enalteceu o fato de que a UEM é a sexta melhor universidade estadual do Brasil, segundo o último ranking elaborado pelo Ministério da Educação (MEC), para compor o Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado na última quarta-feira (8). Na avaliação do reitor, a melhoria da instituição no futuro vai depender da atuação dos recém-graduados.

Para ele, o que foi feito em 47 anos de existência da UEM foi muito, mas é preciso o apoio da sociedade, inclusive da classe política, para que a universidade continue a crescer. Conforme Baesso, a universidade pública é responsável por quase 100% da produção acadêmica brasileira e por formar “profissionais protagonistas”.

Frisou que os embates têm sido difíceis para defender a instituição pública, gratuita e de qualidade. O reitor reafirmou ter sugerido a deputados e senadores para realizar audiências públicas com o objetivo de debater o modelo de universidade pública necessária para o País.

Aos representantes da classe política presentes ao evento, lembrou a importância da parceria entre as prefeituras municipais e a UEM. Neste sentido, recordou a doação em definitivo do terreno do CRC para a Universidade, em 2014, e parabenizou Dirceu Manfrinato pelo apoio ao surgimento do Câmpus, o primeiro da UEM, criado em junho de 1985.

Segundo o reitor, somente com a posse definitiva de um terreno é que a instituição consegue fazer melhorias nos câmpus regionais, como a que deve ser iniciada ainda neste ano, no CRC, com a construção de laboratórios para o curso de Desgin, a partir de recursos liberados, via emenda parlamentar, pela senadorda Gleisi Hoffmann (PT).

HONESTIDADE – Paraninfo geral dos formandos, o professor Alessandro Santos da Rocha dirigiu-se aos formandos como seus afilhados, pois, segundo ele, paraninfo significa padrinho. Seu tom no discurso foi pela defesa do amor, sobretudo o amor ao que se faz. De acordo com Rocha, atua diretor do CRC, “a educação é uma área que exige muito amor frente aos desafios que nos são postos dia a dia”.

“O amor ao que se faz é tão significativo que se move outros dois princípios que julgo essenciais a todo profissional: a vontade de fazer e a honestidade naquilo que se propõe a fazer”. “Imaginem vocês que todos os sujeitos amassem infinitamente aquilo que fazem!”, disse. “Que colocassem todo o zelo no seu trabalho e utilizassem esse amor para o desenvolvimento de sua sociedade. Certamente, teríamos mais pedagogos ensinando para além de uma pedagogia voltada apenas à formação profissional; mais contadores atuando para além do âmbito burocrático; mais bacharéis em moda modelando para além do vestir; e mais designers projetando para além do visual”, afirmou.

A oradora Natália Carolina Português, do curso de Pedagogia, disse que ainda não foram inventadas as palavras que definissem o sentimento dos formandos numa solenidade de colação de grau. Segundo ela, após a formatura os recém-graduados começam a fazer parte de um mundo bem maior.

A partir de agora, disse a oradora, os novos profissionais deveriam assumir o compromisso de fazer a mudança que pretendem ver na sociedade. Natália desejou aos colegas que alcancem seus objetivos e se realizem profissionalmente.

Formado em Ciências Contábeis, curso que obteve a nota máxima 5 no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), Lee Wen Shiu, nascido em Taiwan, mas naturalizado brasileiro, disse que esta nota é a conseqüência do fato de a graduação ter professores decididos a oferecerem um ensino de qualidade.

Para Andreza Maria Vieira, que resolveu cursar Design por ter apreço pela criação, especialmente utilizando o computador, a presença da UEM nos câmpus regionais é muito importante. Porém, no caso de Cianorte, ela entende que é preciso mais divulgação para que muitos moradores possam conhecer o CRC.

Texto e foto: ASC UEM

Compartilhe: