Caminhoneiros ganham duas academias no Pátio de Triagem


A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) instalou nesta quarta-feira (17) duas academias ao ar livre no Pátio de Triagem de Caminhões de Paranaguá. Foram investidos cerca de R$ 40 mil na compra de 22 equipamentos que podem ser usados pelos motoristas durante o período em que aguardam para descarregar ou carregar nos terminais portuários.

O Pátio de Triagem tem capacidade para abrigar até mil caminhões simultaneamente, mas diariamente recebe cerca de 2,5 mil veículos para descarregar grãos no período de safra. Desde o início de 2018 até esta quarta (17) já passaram pelo local 353 mil caminhões.

O diretor-presidente da Appa, Lourenço Fregonese, explica que os caminhoneiros ficam por um período de até seis horas no pátio. “A instalação destes equipamentos proporcionará a ampliação das atividades físicas, promovendo benefícios à saúde do caminhoneiro”, afirma. “Além de combater o sedentarismo e prevenir doenças, os motoristas ganham um espaço físico agradável em ambiente externo”, ressalta Fregonese.

PORTO EM AÇÃO 

Paralelamente, foi promovida uma ação de cidadania voltada aos motoristas, o Porto em Ação. Ao todo, 520 caminhoneiros puderam cortar o cabelo e fazer testes de glicemia, hipertensão arterial, testes rápidos de HIV, Hepatite C e B, vacinação contra febre amarela e gripe, além de consultas de habilitação e CNH eletrônica.

O Porto em Ação acontece mensalmente no Pátio de Triagem, com apoio do Detran, Secretaria da Saúde, Ecovia e outras entidades.

“O Porto em Ação é uma atividade realizada mensalmente no Porto de Paranaguá com o objetivo de levar serviços aos motoristas e orientá-los sobre suas responsabilidades e os cuidados que devem tomar ao transitar pela cidade de Paranaguá e, especialmente, com a sua saúde”, afirma o responsável pelo Porto em Ação pela Appa, Neuri Leobet.

APROVAÇÃO 

O Caminhoneiro de Chopinzinho, Marcos Ceni, elogiou a ação de cidadania e a academia ao ar livre. “Muitos caminhoneiros não podem ir ao médico e estão sempre cansados devido ao tempo de trabalho no volante. Então, essa iniciativa vai ajudar muita gente”, disse Marcos

O caminhoneiro de Erechim, Rio Grande do Sul, Edson Antônio Novakoski, há dois anos e meio não vinha para Paranaguá elogiou os avanços. “A estrutura para o caminhoneiro era precária, inclusive os banheiros. Hoje vi que mudou para melhor. Todos os pátios do Brasil deveriam ter essa estrutura”, destacou.

INVESTIMENTOS 

Desde 2011 foram investidos em torno de R$ 10 milhões no Pátio de Triagem para melhorar o atendimento ao caminhoneiro. Entre as melhorias estão a pavimentação e concretagem das vias internas do pátio, um novo sistema de iluminação com lâmpadas de LED para aumentar a segurança dos usuários, obras de prevenção e combate a incêndio e novas subestação e rede elétrica para o local.

A Appa também entregou em 2015 um novo acesso ao Pátio de Triagem, com investimentos de R$ 2,7 milhões. A obra com 1,2 quilômetro inclui área de aceleração e desaceleração e a construção de via marginal que está ordenando o fluxo de caminhões ao pátio e evitando o cruzamento na BR-277.

As novas guaritas para entrada dos caminhões são todas informatizadas com o sistema Carga Online. Foram investidos R$ 7,8 milhões em melhorias e na construção da nova entrada, que conta com sala administrativa, banheiros e estacionamento de visitantes.

HISTÓRIA 

O diretor-presidente da Appa, Lourenço Fregonese, lembra que o Pátio de Triagem foi construído na década de 70, com a finalidade de promover a triagem das cargas dos caminhões para classificação dos produtos, regulação e liberação das cargas aos armazéns de destino e posterior carregamento para exportação.

“A última etapa da construção do Pátio de Triagem foi concluída em 1980 e, desde então, as redes elétricas e hidráulicas eram as mesmas. Nos últimos cinco anos retomamos os investimentos na segurança dos caminhoneiros”, destacou Fregonese.

FIM DAS FILAS 

Em agosto, o Porto de Paranaguá completou sete anos consecutivos sem filas de caminhões para descarregar grãos. Apesar do aumento do fluxo de veículos e do crescimento das exportações, o problema foi extinto.

Nos momentos mais críticos, as filas ultrapassaram 100 quilômetros. Em março de 2003, 4 mil caminhões ficaram dias parados no acostamento da BR-277 esperando para chegar ao pátio de triagem do porto. O fim das filas foi possível com a adoção de uma série de medidas, entre elas, o sistema Carga Online. Com a carga cadastrada no sistema, os caminhoneiros recebem uma mensagem pelo telefone celular com orientações e a autorização para descarregar em Paranaguá.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

Compartilhe: