Bongiorno dispara na liderança com 59,2%

pesquisa01

O Instituto Brasil de Pesquisa, de Umuarama, realizou em Cianorte, entre os dias 23 e 24 de setembro, o levantamento de dados para avaliar a intenção de votos dos eleitores da Capital do Vestuário. Esta nova pesquisa que está registrada na Justiça Eleitoral sob o número de Identificação PR-05704/2016, aponta Bongiorno com 59,2% dos votos válidos.

A pesquisa foi realizada através de metodologia quantitativa considerando entrevistas pessoais e presenciais, mediante aplicação de questionário estruturado junto a uma amostra representativa dos eleitores de Cianorte com mais de 16 anos.

Durante a pesquisa foram entrevistadas 383 pessoas, selecionadas pelo método de Probabilidade Proporcional ao Tamanho (PPT) compreendendo coleta na área total do município, incluindo os distritos de São Lourenço e Vidigal, com amostra proporcional ao número de eleitores da urna de cada local.

Assim, os dados da pesquisa apontam que a resposta estimulada para a pergunta “Se a eleição para prefeito fosse hoje, em quem você votaria para prefeito de Cianorte?” indica Bongiorno com 55,6% da preferência do Eleitorado, Paulo Renato com 13,6%; Serginho com 12,5%; Tuika com 2,1%. Além disso, os entrevistados somam 9,7% de Indecisos; 6,0 % de Branco/Nulos; e 0,5% não respondeu.

Já ao se considerar apenas os votos válidos, nos quais são excluídos Brancos e Nulos, a pesquisa aponta Bongiorno com 59,2%; Paulo Renato com 14,4%; Serginho com 13,3%; e Tuika com 2,2%, além de 10,3% de Indecisos e 0,6% que Não Respondeu.

Aos entrevistados também foi feita a pergunta “Na sua opinião, independente do seu voto, quem você acha que vai ganhar a eleição para prefeito de Cianorte?”, sendo que os dados apontam que 72,3% acreditam que Bongiorno será reeleito no próximo domingo. Os demais dados apresentados nesta questão apontam que 18,0% Não sabe ou não respondeu; 5% para Serginho; 4,4% para Paulo Renato e 0,3% para Tuíka. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, sendo que a margem de erro é de 3% para mais ou para menos.

Da Redação

pesquisa02

Compartilhe: