Biometria visa aumentar a segurança nos estádios

logo-esportes3

Com o objetivo de aumentar a segurança em eventos esportivos e espetáculos com grande concentração de público, o Tribunal de Justiça do Paraná, a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, o Instituto de Identificação do Paraná, o Detran-PR e a Celepar firmaram parceria inédita, que prevê a criação de um sistema de consulta aos cadastros dos órgãos públicos para confronto das informações biométricas dos torcedores e frequentadores de eventos de grande porte. Assim, o clube ou o organizador de evento que aderir ao sistema poderá realizar a identificação biométrica dos cidadãos no momento do ingresso ao estádio ou à arena.

A iniciativa tem por finalidade aumentar a segurança em estádios durante partidas de futebol, eventos esportivos e nos locais onde são realizados grandes espetáculos e shows, por exemplo, e corresponde com o que dispõe a Lei estadual n° 17951/2014, de autoria do deputado estadual Bernardo Ribas Carli (PSDB). Pela legislação, todos os ingressos para jogos oficiais de futebol devem ser vendidos com a respectiva identificação dos compradores. Ou como dispõe o artigo 1º da Lei: “Os clubes, entidades mantenedoras, entidades gestoras dos estádios de futebol e estabelecimentos que realizarem a venda de ingressos para partidas oficiais de futebol disputadas em local com capacidade para mais de quinze mil expectadores, localizados no Estado do Paraná, deverão realizar a identificação dos respectivos compradores de ingresso, nos termos desta Lei”.

PREVENÇÃO – “Com o confronto destas informações será possível reconhecer quem eventualmente tenha contra si mandado de prisão expedido ou alguma restrição prevista pelo Juizado do Torcedor. Também facilitará a punição de quem incitar brigas ou tiver atitudes violentas dentro destes ambientes”, destacou Bernardo Carli, que também preside a Comissão de Esportes da Assembleia Legislativa do Paraná.

O convênio foi assinado na semana passada e a ferramenta está à disposição dos interessados, não sendo obrigatório aos clubes implantar o sistema. Contudo, apesar de não existir um cronograma fixo para a implantação, nem a obrigatoriedade de cadastro, a expectativa é de que todos participem.

Texto: ASC ALEP

Compartilhe: