Aplicativo agiliza monitoramento de pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19

A Agência Studio Imaxis, de Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná, mudou o foco durante a pandemia do coronavírus. Cledson Lodi, proprietário da startup, convidou os colaboradores a desenvolver um aplicativo para identificação e monitoramento de sintomas da doença. A missão era contribuir com os gestores de saúde e resultou no Maxi Saúde, um aplicativo para dispositivos móveis disponibilizado gratuitamente para as Prefeituras de municípios da região.

Cledson conta que a ideia surgiu após conversas com integrantes da secretaria de Saúde de Francisco Beltrão, que relataram dificuldades para monitorar as pessoas que estavam com Covid-19 ou com suspeita da doença.

“O monitoramento era feito por telefone e a equipe precisava ligar várias vezes ao dia para os pacientes e preencher planilhas. Exigia muito tempo e várias pessoas. Abraçamos a ideia para desenvolver algo de forma voluntária e sem custos, mesmo não atuando diretamente na área de Saúde, no nosso cotidiano”, detalha Cledson.

O aplicativo está dividido em dois módulos: um funciona no smartphone do paciente; o outro, com aspectos administrativos, fica com os gestores dos municípios que adotaram a solução. As pessoas com suspeita de Covid-19 que se dirigem à unidade de Saúde são cadastradas e recebem uma mensagem SMS no celular, para a instalação do aplicativo.

“A partir daí, a monitoração acontece pelo app, que envia notificações durante o dia e os próprios usuários alimentam o sistema. Aqueles que apresentam algum tipo de piora passam para um quadro prioritário”, explica Cledson Lodi.

A Imaxis disponibilizou a solução, gratuitamente, para as 42 secretarias de Saúde do da região, por meio de parceria com a Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop).  Para secretarias de outras regiões ou Estados, a empresa cobrará somente os custos de manutenção (SMS, hospedagem e tráfego na internet).

A secretaria de Saúde de Marmeleiro está utilizando a nova ferramenta, sem qualquer custo, pois é da região Sudoeste. “A ferramenta surgiu em muito boa hora [no boletim epidemiológico de 13 de julho, o município contava com 86 casos confirmados e 23 suspeitos]. Não estávamos vencendo fazer as ligações e atualizar os bancos de dados”, relembra Marilene Romio, diretora municipal de Saúde.

O Maxi Saúde desafogou a equipe. “Muitos dos pacientes colaboram conosco, facilitando o trabalho. Recebemos alertas para aqueles que não respondem. Antes, precisávamos de cinco pessoas para o trabalho, agora apenas uma faz o monitoramento.” Marilene ainda compara a facilidade de acesso às informações. “Os relatórios são obtidos em tempo real, o que facilita o trabalho dos gestores e das equipes”.

A Imaxis participa de ações do Sebrae/PR desde 2012 e integra o ecossistema de inovação da região Sudoeste. “A empresa tem trabalhado com processos de inovação e passou por muitas mudanças no modelo de negócio. O empresário está atento às oportunidades que surgiram na pandemia e o empreendedorismo social também é incentivado pelo Sebrae”, comenta Juliano Lima, consultor do Sebrae/PR.

Fonte: Agência Sebrae

Compartilhe:
Banner Edplants, Acesse