A RESERVA BIOLÓGICA DAS PEROBAS

Quando a Companhia de Terras Norte do Paraná e mais tarde Companhia Melhoramentos Norte do Paraná adquiriu os 515.000 alqueires de floresta natural e inteiramente preservada do Governo do Paraná, na década de 40, sequer o futuro cianortense poderia imaginar que seria contemplado com a segunda maior área de reserva de preservação florestal do Paraná. Hoje fica atrás somente do Parque Nacional do Iguaçu em tamanho. Nem os colonizadores da Companhia poderia imaginar que depois de passados tantos anos da compra desta reserva no norte velho, novo e novíssímo do Paraná, em razão do nascimento de novos conceitos ambientais teria que abrir mão de seu patrimônio, por força da lei e consequentemente, garantir a área para ser eterna em vegetação e nada mais poderia ser desmatado na área.

Assim, a Rebio das Perobas é uma ilha verde preciosa no mapa da região noroeste. Quis o destino que 75% da mata ficassem sob o domínio da preservação com o município de Cruzeiro do Oeste e 25% pertencem ao município de Cianorte. Recentemente, com as mudanças na legislação, os municípios de Tuneiras do Oeste e Cianorte estão aptos a receber o ICMS Ecológico, ou seja, 5% do ICMS arrecadado pelo Estado do Paraná, destinado a eles de forma proporcional. Só Tuneiras do Oeste, um município relativamente pequeno garante um ICMS maior que a arrecadação anual municipal, fato que sem dúvida, além de dar sustentação muito grande, dá-lhe também a obrigação da conservação de seus 75%.

Dentro da Rebio das Perobas reina absoluta, em tamanho e idade, e por que não dizer, em beleza, a PEROBA, ÁRVORE DECLARADA SÍMBOLO DE CIANORTE, por força de lei municipal. Majestosa, levanta sua copa para o alto e o tempo a deixa acima de todas as árvores, com suas folhas e flores e sementes intocáveis. Apesar do tamanho generoso, suas sementes aos montes são levadas pelo vento em grande quantidade, mas germinam muito pouco, porque precisam do macio e fértil chão da floresta, lugar onde o homem e o animal não tocam, para germinar.

Dentro do Cinturão Verde, mais especificamente, na Trilha das Perobas, na avenida Minas Gerais, há um número grande destas árvores altaneiras que estendem seus galhos para o alto, o mais alto da floresta, pedindo socorro, para não serem abatidas e clamando por viver! Amo as perobas da minha terra!

Izaura Varella

Advogada e Professora

Compartilhe: