A “FAMOSA” DOR DE DENTE

Nos dias atuais, a juventude tem uma formação diferente do passado, onde só se pensava em tratamentos reparadores, e hoje, pensamos muito mais em prevenção. Mesmo assim, é muito difícil alguma pessoa que ainda não sofreu com a “famosa” dor de dente.

A dor é definida fisiologicamente como um reflexo protetor que tem por finalidade alertar sobre um desequilíbrio na homeostase corporal, atingindo o sistema nervoso central SNC por meio de vias especificas. A intensidade, a localização e a quantidade da dor serão diferentes, dependendo do tipo de estimulo, bem como do tipo defibra nervosa excitada no processo.

Diante das mudanças comportamentais que norteiam para a prevenção, as dores provocadas pela cárie não é mais tão exclusiva como num passado nem tão distante. Contudo, devemos entender a dor independente da origem e aplicar os tratamentos adequados para cada caso. Uma pergunta muito frequente é porque o dente dói?

De forma sintética podemos dizer que dói porque ocorre uma somatória de fatores que envolvem tecido ósseo, tecido dentário, ligamento periodontal e os receptores que conduzem à inervação. Quando ocorre um processo inflamatório que comprime os receptores, pode provocar dor sem que haja uma lesão.

Quando um paciente tem uma lesão a nível apical e a cárie afetou a polpa dental (nervo), é comum o relato de que parece que tem um coração dentro do dente e ele está pulsando, ou latejando.

A estrutura do dente é pequena, porém, anatômica e neuralmente complexa. O dente é constituído por esmalte, dentina e pela polpa dental que fica no interior do canal onde passam vasos e nervos. Uma inflamação dentro desse canal dificulta o extravasamento do edema e dos líquidos que ali se formam, criando uma pressão que produz dor muito forte.

A dor também pode ocorrer frente a alguns estímulos, por exemplo, térmico com quente ou gelado; mecânico quando há uma força exercida sobre ele; químico quando há a ingestão de substancias ácidas ou cítricas. Porém, também ocorre espontaneamente, deflagrando já um processo inflamatório ou infeccioso mais avançado e que requer uma intervenção o mais rápido possível.

Infelizmente, frequentemente atendemos pacientes que relatam estar sentindo dor há alguns dias ou até mesmo meses. Saiba que quanto mais demorar em procurar tratamento, mais difícil sera o tratamento. Uma “simples” infiltração em que o dente fica exposto ao meio bucal, onde diariamente é estimulado com alimentos e líquidos quentes, gelados, ácidos, vão agravar ainda mais aquele dente. Portanto, não hesite quando tiver a menor suspeita de algum problema, pois assim você estará eliminando futuros problemas.

Compartilhe: